sábado, 23 de novembro de 2013

Dois poemas de Alberto da Cunha Melo


SCHOPENHAUER

Para cada sonho uma lápide
sóbria como o próprio cortejo,
depois disso, treinar seu cão
para morder qualquer desejo;

rasgada a farda da alegria
que, na batalha, o distraía,

agora a dor, em tempo célere,
pode estender, com dignidade,
sua cólera à flor da pele,

para sarjar com sua lança
tantos tumores da esperança.


                                                                         CASA VAZIA

                                                                         Poema nenhum, nunca mais,
                                                                         será um acontecimento:
                                                                         escrevemos cada vez mais
                                                                         para um mundo cada vez menos,

                                                                         para esse público dos ermos
                                                                         composto apenas de nós mesmos,

                                                                         uns joões batistas a pregar
                                                                         para as dobras de suas túnicas
                                                                         seu deserto particular,

                                                                         ou cães latindo, noite e dia,
                                                                         dentro de uma casa vazia.

11 comentários:

  1. Limerique

    Ainda há aquele que louco insiste
    Na esperança deste mundo triste
    Tenta achar uma quimera
    Onde tudo de bom já era
    Porquanto o sonho não mais existe.

    ResponderExcluir
  2. Limerique

    O vate de outrora sendo esperto
    Tinha ouvintes atentos e certos
    Mas passou essa era
    O romantismo já era
    Poeta agora prega no deserto.

    ResponderExcluir
  3. Ai, ai, os poetas: não desistem não, Fred. Nunca... Que bom!

    Beijos,

    ResponderExcluir
  4. São dois poemas de arrepiar. De quem sabe o que faz com as palavras.
    Grande abraço,

    ResponderExcluir
  5. Fred,

    Eu li o Schopenhauer, mas creio que há uma possibilidade do ser humano ir além daquilo que com razão ele analisou.
    Identifiquei-me com o poema "casa vazia".

    =)
    Marcos

    ResponderExcluir
  6. "Poema nenhum, nunca mais"
    O poeta sempre volta atrás....

    ResponderExcluir
  7. A casa vazia
    está cheia
    de poesia...

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. O mais e o menos.

    Não existe medição de importância.

    ResponderExcluir
  9. ",,,escrevemos para um público composto de nós mesmos...".
    Adorei os dois poemas.
    Beijos!.

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!