sábado, 16 de novembro de 2013

CARTÃO POSTAL


Esse cartão postal
não revela a beleza
de nenhum litoral,

fotografa a pobreza
daqueles que não comem,
que vivem sem certeza

de ser bicho ou homem,
pois só têm o direito
da fome no abdômen:

prova-se, com efeito,
ninguém deseja ver
nenhum dos seus defeitos.

Difícil descrever
o verdadeiro rosto
que tentam esconder,

pois tudo é o oposto
— do que querem mostrar —
das linhas do bom gosto;

fácil acreditar
nas mais belas paisagens,
sem ao menos notar

que tanta maquilagem
deixa a realidade
totalmente à margem.

No mapa da cidade
tudo funcionava,
mas não era verdade:

ali, o caos reinava
com homens oprimidos
que a fome matava

ou fazia-os bandidos
por um pouco de pão;
são heróis corrompidos

da civilização
falsa e artificial
impressa no cartão.
     

19 comentários:

  1. Cartão postal encontra-se no e-book Contradições Coerentes.

    ResponderExcluir
  2. Fred,

    Essa civilização do cartão postal é o pecado original na minha opinião.

    abraço
    Marcos

    ResponderExcluir
  3. Amigo

    Um grito, um aviso, uma demonstração da injustiça reinante. A verdade sempre chega, mesmo por Cartão Postal.

    Abraços


    SOL

    ResponderExcluir
  4. Limerique

    Essa miséria que grassa não sei onde
    Que somente ao desmando responde
    Matizada em cores mil
    Sob este céu azul anil
    No falso cartão postal se esconde.

    ResponderExcluir
  5. Ao ir conhecer um lugar, a primeira coisa que faço é fugir das imagens vendidas no cartão-postal. Fora dele, há a realidade triste, mas há também a beleza das coisas desprezadas. Muito bom, Fred!
    Beijos,

    ResponderExcluir
  6. Gosto quando vc grita bem alto!
    bj, meu poeta querido

    ResponderExcluir
  7. E viva a rainha Dilma, pra quem tudo é maravilha, ela não conhece o seu cartão postal, Fred.

    ResponderExcluir
  8. Tb me alinho a este pensamento quanto aos cenários vendidos por aí, seja em postais, novelas, filmes etc.
    Impecável, Caju!

    Um bjo

    ResponderExcluir
  9. Sempre vejo muito Ferreira Gullar em ti, e fico contente...
    Porque tenho certeza que essa nova geração poética nunca vai deixar a desejar.

    ResponderExcluir
  10. Limerique

    Entre pobres e ricos, fosso abissal
    Onde está o nivelamento social?
    Pobre está na merda
    Outro fortuna herda
    Está tudo claro no cartão bostal.

    ResponderExcluir
  11. Infelizmente esta é a sociedade dita "desenvolvida".

    Gostei muito.

    Bjs e uma boa semana

    ResponderExcluir
  12. Mesmo com o
    toda
    via, com todo
    dia
    Com todo
    ia, todo
    não ia
    A gente vai leva
    ndo, a gente vai lev
    ando, a gente vai lev
    ando
    A gente vai levando
    essa guia


    vai levan
    do esse
    toque....


    linda construção poetica.

    beij0

    ResponderExcluir
  13. Um cartão meio impressionante, Fred!

    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Estava no Bienal do Livro de Salvador e só hoje vejo este incrível poema, Fred. Pa-lavra da tua lavra.
    Abraços,

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!