sábado, 12 de outubro de 2013

Um poema de Ghita Galvão


Aquela saudade indefinida
que é tanto de partida
quanto de chegada
da coisa passada não vivida
da coisa futura já passada.


Este poema é meu voto declarado para o IV TOC da Fliporto. Votar é fácil, é só um clique e pronto, basta acessar: http://fliporto.net/2013/votacao-premio-toc-140-ano-iv/
   

11 comentários:

  1. A saudade é maior quando não tem explicação.

    ResponderExcluir
  2. Limerique

    Coisa indefinida, essa ambiguidade
    Que na mente causa ansiedade
    Que inibe a criação
    Que também só diz não
    Só pode ser a maldita saudade.

    ResponderExcluir
  3. Em apenas 5 versos é dita muita coisa.
    Gostei.
    Caro amigo, tem um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Parece ser aquele estagio da vida em que já não há mais saída, toda vida resumida a acordar e dormir. Viver em razão, pela obrigação de existir. A saudade é só um protesto, um artifício pra desperdiçar o presente.

    http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nossa, perfeito!!! Saudade de chegada... Já que falamos de aperto no peito outro dia, eis que você demonstra a dubiedade desse sentimento maluco.
    beijos!!!

    ResponderExcluir
  6. Seria a ausência assimilada, q ninguém lhe rouba mais? Qual a de Drummond..

    :)

    ResponderExcluir
  7. Pela amostra a escolha é perfeita, Fred.
    Abração,

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!