sábado, 19 de outubro de 2013

EM TRÊS SUPERFÍCIES

A Marcantonio Costa

Marco com pincel:
caderno-sumário
de plásticas artes.

Marco nesse céu
— azul temporário —
versos estandartes.

Marco no papel:
extrovertido diário
lido até por marte.
     

17 comentários:

  1. Em três superfícies encontrar-se-á no e-book F L O y D, em breve, disponível para download aqui no blog.

    ResponderExcluir
  2. Limerique

    Era uma arte marcada a pincel
    A qual maculava também papel
    Então se fazia presente
    Nos entornos da gente
    E subia égida ferindo o céu.

    ResponderExcluir
  3. E salve, Marquinho!!! Arrasou, Fred, homenagem mais-que-merecida, de poeta para poeta.

    Beijos nos dois...

    ResponderExcluir
  4. E o Fred, discipulo de Picasso, anda pintando o sete, fazendo artel Meu abraço.

    ResponderExcluir
  5. Marco marcado
    Superfície de poeta
    É poço sem fundo

    Show, Caju! Bela homenagem, bj grande

    ResponderExcluir
  6. E assim fica este poema marcado com essa intensidade :)

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Muito bem marcadas as superfícies... com tinta (de) cajuína.

    ResponderExcluir
  8. Piada interna de mim pra mim mesma: marcos sempre marcam hahahaha :)

    ResponderExcluir
  9. Marcou.

    http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. É de poeta para poeta. E nós olhamos essa "troca"... de poesia!
    Abraço, poeta!

    ResponderExcluir
  11. Cara, como é que eu não vi isso?! Quase um mês depois... É ótimo, e não é pelo tema não nem pela dedicatória. É pela solução poética mesmo. Valeu muito!

    Abração!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!