sábado, 17 de agosto de 2013

POR UM CINZA MENOS TRISTE

                  A Marina de Arruda Padilha


Mesmo que ninguém se lembre
das cores que em mim existe,
eu lutarei — como sempre —
por um cinza menos triste.

Em minha aquarela
há todas as cores
para qualquer tela;

pinto minhas flores,
pois a mão pincela
meus poucos amores.

Sei o que desejo pintar:
quero o cinza da neblina,
todas as cores do mar,
da mais banal à mais fina.
     

21 comentários:

  1. Por um cinza menos triste encontrar-se no e-book Lâmina de 3 Gumes, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. Por um cinza menos triste me remete à imagem que tem o otimista diante do mundo que aí está. Pode não ser por aí,mas foi o que senti ao le-lo.
    Um belo poema, uma bela mensagem.

    Um beijo Fred

    ResponderExcluir
  3. Na pressa, as cidades são incolores.

    http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Não fosse você eu tinha me esquecido do meu aniversário. Tinha me esquecido também dos 4 anos que se passaram desde que eu li esse poema pela primeira vez.

    ResponderExcluir
  5. "Por um cinza menos triste" do que esse em que o homem transforma as cidades. Gostei muito do poema, Fred. Vamos cobrir esse cinza com tintas incolores, aprendamos a ver beleza, independente de cores. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  6. - cara, demais!
    e ainda dizem que cinza não tem graça, rs.

    ResponderExcluir
  7. Tomei nota: quando você quer escrever algo bonito, você escreve mesmo.

    ResponderExcluir
  8. Matizes do cinza eu bem conheço. Em versos assim, ficam ainda mais belos. E, sim, é preciso ter sempre guardados os alucinógenos por prevenção, quando não puder haver giros tempestuosos...rs

    Beijos, Fred, esse poema de hoje me veio íntimo.

    ResponderExcluir
  9. Doce poema, todos temos uma aquarela na alma...Menino, você está bonito nessa foto que veio com o comentário! Fred, beijos!!!

    ResponderExcluir
  10. Limerique

    Porque na vastíssima aquarela
    Não só patrióticas verde e amarela
    Tudo o que viste
    Até o cinza triste
    Aquele colorido mundo revela.

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde Fred. poesia perfeita.. em versos de 5 e 7 silabas.. é sempre gostoso ler poesias com métrica. lindo di e grato sempre da visita abração

    ResponderExcluir
  12. Fred,

    O cinza da neblina é praticamente um véu suave. Gostei das rimas.

    =)
    Marcos

    ResponderExcluir
  13. Apropriado para hoje, sábado, em dose dupla.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Todos os tons de cinza sempre me parecerão tristes.
    Mas nem por isso, bonito.

    E esse poema, é bonito demais.

    ResponderExcluir
  15. Esta aquarela se abre ao obscuro. Ainda estou paralisado...
    Abração,

    ResponderExcluir
  16. multicoloridos somos quando a diáspora
    são os matizes que nos expressam
    nos cantos dos pássaros pretos
    rio acima.
    saudações,
    less

    ResponderExcluir
  17. Que se misturem as cores todas...

    aquele abraço!

    PS: Tá a cara do Daniel Alves na foro nova hahaha

    ResponderExcluir
  18. E assim já cantava o Live:
    "And I believe that maybe today
    We will all get to appreciate
    The beauty of gray"


    Bjos

    ResponderExcluir
  19. Um tanto de azul é preciso
    para aquarelar em cinza...

    Adorei teu poema,

    abraço, Fred!

    (* Cê manda bem também!)

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!