sábado, 6 de julho de 2013

URBANÓIDES


Todos eles pensam que são felizes,
e acreditam que a vida é especial.
São os filhos bastardos da cidade,
que surgiram em escala industrial.
São homens-fantoches descartáveis,
são manipulados em tempo integral.
Cativos da tecnologia, do consumo,
do conforto, da vida e do capital.
Ironicamente, pensam em liberdade,
sem ver que a escravidão é normal.
Não tiraram suas próprias algemas,
pois a moda as fizeram algo banal.
Valorizam o corpo e indumentárias,
instrumentos do prazer individual.
Os novos seres urbanos são fúteis,
tudo o que dizem ser é artificial.
São apenas caricaturas solitárias,
são personagens numa peça teatral,
cujas cenas são todas previsíveis,
e a solidão é a artista principal.
     

31 comentários:

  1. Urbanóides encontrar-se no e-book Monopólio da Solidão, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. Bela poesia Fred.
    Bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Às vezes a gente paga pra trabalhar, e é escravo. E o que muitas pessoas fazem com o corpo, e a estética de hoje, lembra um passado atroz da História.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, Fred. Aproveito o ensejo do seu poema para recomendar, dentro do espectro do mesmo tema, filme "Reality - a grande ilusão", a comédia mais triste que já vi. Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Eis a realidade fabricada pelo sistema, onde o "ser" foi sufocado.
    Um abração.

    ResponderExcluir
  6. Limerique

    Com escárnio a vida não abre portões
    Você sempre só no meio de milhões
    Seguindo como gado
    Muita gente a seu lado
    É síndrome da solidão das multidões.

    ResponderExcluir
  7. A vaidade é um bichinho escroto que se imiscui nas mentes de todos nós, até naqueles que se sentem acima desse mundanismo deplorável. Quero corroborar o que digo, leiam o texto do mestre Chassot no blogue:http://mestrechassot.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Perfeito o poema, Fred. Esta totalização do real é acachapante! Parabéns!
    Grande abraço,

    ResponderExcluir
  9. “Esses humanos que circulam
    Pela cidade aí afora
    Eu não agüento, eles querem me conquistar
    Eu não agüento, eles querem me controlar

    Querem me obrigar a ser do jeito que eles são
    Cheios de certezas e vivendo de ilusão
    Mas eu não sou, nem quero ser igual a quem me diz
    Que sendo igual eu posso ser feliz”.

    http://www.youtube.com/watch?v=8PY6sUBbhF8)

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. um dos melhores que já li aqui.

    flores.

    ResponderExcluir
  12. É isso mesmo, Fred, a solidão é a artista principal na vida dos urbanoides! São zumbis perdidos na floresta de pedra. Se o amigo quiser me visitar, será um prazer a sua presença.

    ResponderExcluir
  13. João Bosco fala disso: http://www.youtube.com/watch?v=WKsV3XjeWTs

    ResponderExcluir
  14. Admiro profundamente sua resistência, Fred. Sua voz sempre chega como um alento aos meus ouvidos. Como poeta, tem uma marca. E essa marca me diz muito: "Que bom que não estou só". Sua poesia me traz saudades dos tempos da Facom e dos poetas de então. Hoje a Facom elitizou e as grandes figuras que usavam a poesia como voz já não existem.

    Beijos,

    ResponderExcluir
  15. Bão demais sua poesia,feita com uma maestria que poucos sabe fazer,vou aqui me despedindo e deixando um abraço caloroso pra vocÊ!
    Sucesso sempre,estou sempre lendo seus poemas!


    Marcelo de Barros

    ResponderExcluir
  16. Alguém já disse que isso é fodástico?

    Saudade da porra de todos os sábados que já perdi!

    O bom é que dá pra recuperar
    bjão, do Caju

    ResponderExcluir
  17. incrível de ão real o teu poema, na verdade a descrição de muitas pessoas que a gente cruza por aí e, infelizmente tem como amigo.

    poema simplesmente máximo.

    ResponderExcluir
  18. Olá, Fred!!!
    O teu cantinho continua delicioso!!!
    Parabéns!!!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  19. Ui! Saudades daqui.
    "A tristeza é senhora
    Desde que o samba é samba é assim
    A lágrima clara sobre a pele escura
    A noite, a chuva que cai lá fora
    Solidão apavora...
    Cantando eu mando a tristeza embora!"

    um beijo!

    ResponderExcluir
  20. Faz tempo que não te deixo um beijo por escrito, né?

    ResponderExcluir
  21. Alguns já nem pensam...
    Triste é a vida de quem segue a massa.

    ResponderExcluir
  22. CONVITE
    Passei por aqui lendo, e, em visita ao seu blog.
    Eu também tenho um, só que muito simples.
    Estou lhe convidando a visitar-me, e, se possível seguirmos juntos por eles, e, com eles. Sempre gostei de escrever, expor as minhas idéias e compartilhar com as pessoas, independente da classe Social, do Credo Religioso, da Opção Sexual, ou, da Etnia.
    Para mim, o que vai interessar é o nosso intercâmbio de idéias, e, de pensamentos.
    Estou lá, no meu Espaço Simplório, esperando por você.
    E, eu, já estou Seguindo o seu blog.
    Força, Paz, Amizade e Alegria
    Para você, um abraço do Brasil.
    www.josemariacosta.com

    ResponderExcluir
  23. Dialogamos em versos... lembrei de um poema meu - o homem do futuro -...
    Quero te enviar meu livrinho. Dps me manda um email! ;)

    Bjo

    ResponderExcluir
  24. paisagens...
    belo poema :-)
    abs., bons caminhos!

    ResponderExcluir
  25. escravos do cotidiano. me passe seu contato? quero publicar algumas coisas que tô lendo por aqui.(:

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!