sábado, 27 de julho de 2013

LIRISMO À MODA DA CASA


Não se chama de beijo
o que não tem desejo,
sem pele arrepiada,
sem buceta molhada,
sem gemido ou sussurro,
sem pau que fique duro;

não se vinga tesão
sem ter provocação,
sem poder ser carnal
(ou ao menos sensual),
pois não cabe ter culpa,
gozo não se desculpa.
     

sábado, 20 de julho de 2013

Três poemas de Daniel Lima

  
Sou o intervalo
            entre a palavra e o gesto.
E amar a vida,
            senti-la e consenti-la
                        é meu protesto.



                                                          Vale a pena ser eu, mesmo perdido.
                                                          Um dia, hei de encontrar-me não sei onde,
                                                          numa esquina talvez ou na soleira
                                                          da casa de um amigo ou num presídio.

                                                          Já muito chão andei, sempre à procura
                                                          do que, não sei; de quem, pior ainda.
                                                          O endereço perdi de toda gente:
                                                          será que vou saindo, ou vou chegando?

                                                          No leste nasce o sol, mas é ao oeste
                                                          que coração e pés me vão levando,
                                                          eu, tão norte que sou, que o sul quem há de?

                                                          Perdido estou, sem referência alguma
                                                          do espaço e tempo, mas confuso embora,
                                                          sei que sou o perdido. E vale a pena.



Antes, vivia na certeza,
como uma águia aprisionada na gaiola.
                        A dúvida me libertou
deixando-me voar no espaço livre,
                        não mais certo de nada
senão da importância do voo.
   

sábado, 13 de julho de 2013

HOLLYWOOD, WITHOUT YOU

  
Olhe para você:
flagelo do flagelo.
Hollywood não te quer,
não és bom, não és belo
nem nunca vais brilhar;
teu tudo não é nada,
tua cova te espera,
estrela condenada.
    

sábado, 6 de julho de 2013

URBANÓIDES


Todos eles pensam que são felizes,
e acreditam que a vida é especial.
São os filhos bastardos da cidade,
que surgiram em escala industrial.
São homens-fantoches descartáveis,
são manipulados em tempo integral.
Cativos da tecnologia, do consumo,
do conforto, da vida e do capital.
Ironicamente, pensam em liberdade,
sem ver que a escravidão é normal.
Não tiraram suas próprias algemas,
pois a moda as fizeram algo banal.
Valorizam o corpo e indumentárias,
instrumentos do prazer individual.
Os novos seres urbanos são fúteis,
tudo o que dizem ser é artificial.
São apenas caricaturas solitárias,
são personagens numa peça teatral,
cujas cenas são todas previsíveis,
e a solidão é a artista principal.