sábado, 18 de maio de 2013

Podia ter te amado
ao som de Fagner,
mas eu tava junkie,
calado e distante.

Cê nem dava bola.

Mas a coisa mudou:
hoje tô mais limpo
e você mais suja;
Orós tá na agulha.

Vem deitar comigo?
     

24 comentários:

  1. “Podia ter te amado” encontrar-se-á no e-book F L O y D, em breve, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. Ah que delícia, hem... Gostei muito disso. Muito. Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. banhar-se neste açude de tons



    abraço

    ResponderExcluir
  4. Limerique

    Era uma vez dois seres distantes
    Ela clean, ele quase um meliante
    Mas enquanto ela afundou
    Ele veio a tona, aflorou
    Prontos agora a serem amantes.

    ResponderExcluir
  5. os tempos se desencontram como as pessoas se desencontram nesse encontro da vida, rs

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Você é o dono da cacimba, cajuíno amigo!!!

    ResponderExcluir
  7. Quando as coisas se degradam, às vezes ficam mais bonitas.

    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Olha, hoje comecei um poema pensando na palavra "agulha". Era outra agulha rs...o teu é lindo.

    bj

    ResponderExcluir
  9. Que mais posso eu dizer, senão que tá porreta? Essas coisas são assim, deixam o cabra zureta! Meu abraço.

    ResponderExcluir
  10. Podia...gostei muito desses versos
    onde se para pra pensar..

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Peguei, li, e li de novo, gostei tanto que guardei no meu caderninho!
    Lindeza..

    ResponderExcluir
  12. Devemos apostar quando temos vantagem... rsrs...
    Gosto da poesia desconcertante que por vezes fazes.
    Boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  13. Quem assim "tá", tem o seu convite aceite.


    Abraços



    SOL

    ResponderExcluir
  14. Essa me lembrou um xará seu, um grande amigo (e também poeta, músico, escritor, doido varrido...), que o tempo e a distância tiveram a safadeza de me distanciar...

    Se eu disser "só podia ser do Fred", posso estar falando de um e de outro. Muito bom, valeu Fredão!

    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  15. Estou chegando e volto
    pra comentar depois de conhecer melhor o blog.
    Amo poesia sempre.
    Bjins ja seguindo aqui.

    ResponderExcluir
  16. Eu poderia mandar pra minha ex namorada sem mudar uma vírgula que se encaixaria perfeitamente.

    Mas ela tá suja demais pra ler isso.
    =)

    ResponderExcluir
  17. Cajuamigo

    Chego aqui e em boa hora vim, porque o teu blogue é certo e bonito. Se fores à minha Travessa (lá te espero, )poderás saber quem sou e o que escrevo. Para o Brasil que conheço felizmente e por muitas vezes envio-te

    Abç

    Henrique


    ResponderExcluir
  18. Das incompatibilidades - de gênio ou tempo - somos todos feitos...

    Bjo, Caju

    ResponderExcluir
  19. Eita, que arretado Fred! "Quase acabava meu mundo quando óros se empanzinou..."- Que viagem! Fagner foi embora atrás de Sullivan e Massada, e seu Deslize: “Não sei por que insisto tanto em te querer..." maior massada, maior deslize, e nunca mais voltou. O cara era bom em sua proposta, até certo ponto inovadora, musicando Florbela Espanca, Ferreira Gullar... ia até direitinho. Voltemos ao poema, me lembrou Ângela Roro: ...pois ontem à noite, sonhando acordada, dormi com você.

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!