sábado, 6 de abril de 2013

ENCONTRO DE POETAS


Os poetas estavam reunidos
e todos queriam ser ouvidos.
Alguns falaram das suas musas,
da elaboração dos seus poemas
e da métrica que mais usa;
todos falavam dos problemas.
— Eles querem os holofotes
para divulgar os seus motes.
  
Apesar da mesma profissão,
não tinham nenhuma comunhão.
“Já não se sabe mais rimar!”,
“Mas para quê ter melodia?
O importante é comunicar!”
“Escrever não é uma terapia...”.
— Como são tolos esses poetas,
acreditam que são profetas.

O encontro tomou outro caminho
crescendo o consumo de vinho.
Alguns ficavam excitados,
dois ou três apenas choravam;
quando estavam embriagados
todos eles se consolavam.
— Esqueciam que eram solitários
no papel de irmãos solidários.

Depois que terminou a bebida
ainda refletiam sobre a vida.
“Qual o motivo de escrever?”,
“Por que nós escrevemos tanto?”,
“Será que alguém vai querer ler
o nosso solitário canto?”.
— Todos estavam inseguros
sem perspectiva de futuro.

Chegou o momento de partir
todos foram se despedir.
Mesmo sem poder beber mais,
alguns tomavam a saideira;
desejavam votos de paz
e permanência na carreira.
— Pena que nenhum terá a sorte
para ser lido antes da morte.
      

28 comentários:

  1. Encontro de poetas encontra-se no e-book Monopólio da Solidão, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. A dura realidade do poeta.
    Questionamentos muito verdadeiros, Caju.

    ResponderExcluir
  3. Verdade, Caju. E tão triste verdade. :-(

    Beijos,

    ResponderExcluir
  4. Ah! Caju, não seja pessimista. Você me leu hoje, agora estou lendo você e parece que estamos ainda vivos...ou não? rs. Amigo, um beijão!!!

    ResponderExcluir
  5. Limerique

    Era uma vez poetas e que tais
    Os quais não se entendiam jamais
    Só derramar poesia
    O que cada um fazia
    Não notavam suas vidas terminais.

    ResponderExcluir
  6. poeta, poema que despoetiza o poeta para poemar
    o poema - para chegar à poesia. belo poema.
    meuabraço
    less

    ResponderExcluir
  7. É Caju, muitos tiveram reconhecimento depois de terem partido "desta para melhor" mas o ser humano é vaidoso, né? Quem é que não quer ser reconhecido pelo talento de transformar sentimentos em verbos tão bem elaborados pela intuição da alma? Mas a vida é assim...
    Ainda bem que existem leitores sensíveis o bastante para nos lerem...né não???
    Um beijo grande, meu querido!! e parabéns pelo talento!

    ResponderExcluir
  8. Eu estou aqui te lendo e reconhecendo o teu valor.

    Beijo

    ResponderExcluir
  9. escrever é destino, sina: não há como fugir dessa maldição



    abraço

    ResponderExcluir
  10. Escrever não admite subterfúgios ou fugas.
    Mas por que não seriam lidos antes da morte?

    Beijo, Fred.

    ResponderExcluir
  11. o poeta vivo
    sem fardão
    ou fardo
    morre liberto
    a cada verso
    lido

    .

    Belo poema-reflexão!

    Abs., bons caminhos...


    ResponderExcluir
  12. Ô Fred, que pessimismo é esse? Você não tem razão pra isso! Todo mundo vem te ler! Meu abraço.

    ResponderExcluir
  13. É isso, poeta. É escrever ou morrer!
    Abr.,

    ResponderExcluir
  14. Porque haverá sempre alguém que leia :)

    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Belo poema! Devo aprontar algo com ele?!

    ResponderExcluir
  16. O poeta, salvo raras exceções, tem, inato, o seu prêmio de consolação: a sua presunção. Ainda que alguns digam que isso não procede: "pode enganar os outros, mas não a ti mesmo." Poeta, teu gozo interior é fato!
    Portanto, goza poeta! Goza aquilo que a tua ótica e sensibilidade tem de melhor!

    ResponderExcluir
  17. Não dá pra ficar imune a você moço.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  18. sem hipocrisias! escrever é fado, e quase sempre pesado, mas que dividir com o mundo é bom, lá isso é.
    bj,bj, meu Caju poetíssimo

    ResponderExcluir
  19. Óó... poetas e suas poesias que vivem de utopias de se alcançar aquilo que achavam que deviam. Palavras proliferadas ao vento que, este sim, tudo alcança e ao mundo, verdadeiramente, se lança.

    Bjos!

    ResponderExcluir

  20. "Como são tolos esses poetas,
    acreditam que são profetas"

    Às vezes são, às vezes não...

    aquele abraço!

    ResponderExcluir
  21. Faz sentido do início ao fim! Primeiramente por jeitos diferentes de poetas. Cada um de um jeito, cada um com um pensamento... e a certeza de que serão reconhecido apenas após a morte. haha

    gostei muito, parabéns.

    ResponderExcluir
  22. Olá Fred, querido amigo,
    Tua verve é maravilhosa e te reconheço como um Sr. Poeta!
    Parabéns pelo tema da tua poesia!
    Beijos, Vilma

    ResponderExcluir
  23. Foi bonito ler isso, te ler é sempre muito convidativo... Fico aqui pensando muito.

    ResponderExcluir
  24. Um Poema de Vida e com vida.
    Gostei.


    Abraços


    SOL

    ResponderExcluir
  25. Podem até serem conhecidos em vida, mas venerados mesmo... só depois da morte.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  26. Os poetas têm a tendência a ficar egocêntricos...
    Todos menos eu, entenda-se... rsrs...
    Excelente poema, gostei muito.
    Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  27. Nem me fale, estou lendo isso num dia de baixo astral. Estou naqueles dias de "Que coisa! ninguém me lê, ninguém liga para o que escrevo!"


    Não vou mentir: já me passou pela cabeça (e mais de uma vez) desistir de tudo isso, sabia? E devotar a vida a algum escritório por aí que me queira... Parece que as pessoas não ligam mesmo para poemas.

    Desculpe o desabafo. Estou num dia meio chato. Mas não vou mentir que estou começando a refletir sobre algumas coisas...

    Beijos!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!