sábado, 27 de abril de 2013

Dois poemas de João Cabral de Melo Neto


O MAR E O CANAVIAL

O que o mar sim aprende do canavial:
a elocução horizontal de seu verso;
a geórgica de cordel, ininterrupta,
narrada em voz e silêncio paralelos.
O que o mar não aprende do canavial:
a veemência passional da preamar;
a mão-de-pilão das ondas na raia,
moída e miúda, pilada do que pilar.

*

O que o canavial sim aprende do mar:
o avançar em linha rasteira da onda;
o espraiar-se minucioso, de líquido,
alagando cova a cova onde se alonga.
O que o canavial não aprende do mar:
o desmedido do derramar-se da cana;
o comedimento do latifúndio do mar,
que menos lastradamente se derrama.



                                                                O CANAVIAL E O MAR

                                                                1

                                                                O que o mar sim ensina ao canavial:
                                                                o avançar em linha rasteira da onda;
                                                                o espraiar-se minucioso, de líquido,
                                                                alagando cova a cova onde se alonga.
                                                                O que o canavial sim ensina ao mar:
                                                                a elocução horizontal de seu verso;
                                                                a geórgica de cordel, ininterrupta,
                                                                narrada em voz e silêncio paralelos.

                                                                2

                                                                O que o mar não ensina ao canavial:
                                                                a veemência passional da preamar;
                                                                a mão-de-pilão das ondas na areia.
                                                                moída e miúda, pilada do que pilar.
                                                                O que o canavial não ensina ao mar:
                                                                o desmedido do derramar-se da cana;
                                                                o comedimento do latifúndio do mar,
                                                                que menos lastradamente se derrama.


A partir desse 3º ano de blog, decidi que nem todo sábado será de caju. Esporadicamente alimentarei o blog através do marcador “Outros Autores”, cuja estreia ocorreu mesmo antes desse planejamento, com a publicação de Três poemas de D.Everson (28/07/2012).

21 comentários:

  1. É sempre bom ler João Cabral...
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Limerique

    Era uma vez um carnaval
    Que ao mar não ensinava mal
    E deste aprendia tanto
    Que lhe ensinava quanto
    Numa relação quase carnal.

    ResponderExcluir
  3. alimento-me dos versos cabralinos,


    abraço

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito. Não conhecia.

    Beijinhos e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  5. Uma estreia não programada, mas em grande estilo: versos de Cabral.
    Ansiosa pelas próximas escolhas.
    Beijo, Caju, bom fds.

    ResponderExcluir
  6. Vim em busca das minhas doses de cajuína (andei abstêmia por tempo maior que o devido), mas o João Cabral de Melo Neto é sempre uma excelente pedida também.

    Ah, tenho certeza de que as seleções manterão o nível do blog, ou seja, coisa de primeira à vista.

    ResponderExcluir
  7. Fred...to chegando no recife amanhã para o tributo ao tom, entra em contado comigo para gente se encontrar!!! BJss

    ResponderExcluir
  8. Aqui João Cabral de Melo Neto, no meu blog vais de Drummond. Tá voando alto, Fred, gostei de ver. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  9. Valeu, Fred!
    Vale sempre a pena lembrar um poeta desses.

    Abraço grande.

    ResponderExcluir
  10. Um grande mar no carnaval ou seria ao contrario.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. O poeta e suas gentilezas. Adoro!

    Caju com Cabral, mt bom, bjão

    ResponderExcluir
  12. Sensacional esse jogo paradoxal, Caju!
    Gosto cada vez mais de vir aqui.

    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Que venham esses "outros autores". É sempre bom conhecer aquilo que gosta de ler quem gostamos de ler...

    aquele abraço!

    ResponderExcluir
  14. Uma boa escolha! Grata pela partilha.

    Venham mais.

    Beijo

    ResponderExcluir
  15. Acho que minha capacidade mental não me deixou entender por completo o poema que você compartilhou....
    Mas fico feliz que agora postará coisas que embora não sejam de sua autoria, possa a ser interessante.

    beijos

    ResponderExcluir
  16. O autor fez plágio de si próprio...?
    Em qualquer caso gostei dos poemas.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  17. Bela homenagem, Caju!
    Um dos nossos grandes, deve ser reverenciado sempre.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  18. Uma espécie de autoretrato, com muito nível.
    Gostei do modo e da forma.


    Abraços


    SOL

    ResponderExcluir
  19. Qualidade, imaginação e sedução. a mestria com sinal mais...

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!