sábado, 23 de fevereiro de 2013

QUALQUER PESSOA

Todo mundo acha que pode,
acha que é pop, acha que é poeta.
(Maurício Pacheco)


É completamente irreal (mas não impossível), pra mim, que alguém que nunca tenha dado uma única pincelada na vida resolva fazer uma exposição do seu não-trabalho e que ainda haja um curador disposto a ceder um espaço ao mais novo artista plástico da vez. Fazendo uma transposição dessa situação para a música, seria como uma banda onde nenhum “músico” nunca sequer tenha tocado um único instrumento seja contratada por uma grande gravadora. E na poesia, será que a transposição é tão irreal e longínqua assim?
Arte menor por natureza, a poesia tem disso: a possibilidade de qualquer pessoa expressar o que sente (ou não) através de versos (ou não). Tudo bem, tranquilo, concordo. Qualquer pessoa tem plena capacidade de se aventurar na poesia, até mesmo sem precisar saber ler ou escrever (quem dirá saber de formas, fôrmas, métricas ou rimas?).
Tem muita gente, todavia, achando que o pós-modernismo escancarou as portas do fazer poesia e agora quem quiser pode entrar. E que todo mundo pode “oswaldear” como bem entender. Mas muitos se esquecem de que quem abriu essa porta foram os próprios poetas.
E nunca é demais lembrar que o poeta não é qualquer pessoa. Insatisfeito, dissonante e perdedor, o poeta foge à regra. Porque quem não se incomoda e vence em tudo na vida, da poesia só quer, no máximo e na melhor das hipóteses, se dedicar à leitura.
O abismo que separa o poeta a qualquer pessoa é o mesmo abismo que separa a poesia de ambos. Portanto, aceito o pressuposto que qualquer um pode escrever poesia. Mas por corporativismo e defesa da classe, fico com a poesia escrita por poetas.
Assim como também prefiro ler críticas, resenhas e considerações literárias daqueles que realmente se dedicam ao assunto. Cabe-me, como autodefesa, afirmar que a impressão de um mero caju, quando muito, não passa de uma simples noda.

28 comentários:

  1. Qualquer pessoa encontra-se no e-book 12 Rotações, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Olá Fred,

    Tenho visto blogs cheios de pompa, com textos pobres e tristes. Com certeza o esforço em transcrever sentimentos é válido, qualquer um pode escrever poesia mas só os poetas sabem faze-la.

    Sempre é muito bom te ler.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Muito de acordo, Fred, mas também é preciso lembrar que, ao contrário, o rótulo de poeta, auto-imputado ou conseguido sabe-se lá a que custas, tem servido de via à vazão de muito lixo por aí. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  4. Limerique

    Porque há poetas e outros nem tanto
    Uns na ribalta os demais nos cantos
    Mas há gosto prá tudo
    Aos bons poetas saúdo
    Que, como Caju, nos trazem encanto.

    ResponderExcluir
  5. limerique

    Porque poeta não é qualquer pessoa
    Não têm os pés no chão e sua mente voa
    Mas existem os demais
    Que imitam os tais
    A estes o coração do poeta perdoa.

    ResponderExcluir
  6. "Se Deus está morto, então tudo é permitido"


    abraço

    ResponderExcluir
  7. É isso, Fred, uma no cravo, outra na ferradura. Você está coberto de razão.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  8. Limerique

    Existem poetas e outros como eu
    Que não imagino o que me mordeu
    Finjo que sei rimar
    E um pouco, poetar
    Não sei onde minha mente se perdeu.

    ResponderExcluir
  9. Não me considero poeta, nem nada que se pareça, mas gosto de te ler e comentar. Posso?
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Amo poesia desde sempre, Fred. Mas hoje estou com um olhar diferente: a criação como ponte para nosso eu mais despido. E aí, aceito que todos queiram criar (versos, telas, músicas...). E mesmo entre os poetas (admitidos como tais) há os que uns gostam, outros não, tudo é relativo. Já ouvi críticas negativas de supostos críticos de carteirinha a meu poeta-mestre, Manoel de Barros, que me ensina a renascer todo dia. E aí? Todo mundo pode dizer o que quer.

    Beijos,

    ResponderExcluir
  11. Primeiro quero pedir desculpas pelo sumiço, amigo. Fiquei sem internet por um tempo (problemas com a operadora...), por isso sumi um pouco e até deixei de postar no Canto.


    Bom, falando agora sobre o que postou... Rapaz, você adora temas polêmicos. Por que, cara? Por quê? (risos) Relaxe... Também gosto de pensar e falar sobre temas polêmicos. :)


    É claro que vou defender a nossa "classe" porque eu também acho que tem havido uma "banalização" de determinadas artes, não só da poesia, como da pintura, da música. Não quero tirar o direito de ninguém de se aventurar em algo novo, de se arriscar a realizar novas atividades. Mas eu penso assim: se quer se considerar como um membro daquela categoria, faça por merecer, estude, estude, estude, pesquise, pratique, aprenda (e erre), cresça, evolua. Tenha RESPEITO pela arte.


    Tudo na vida deve ser conquistado. Se a pessoa tem facilidade, potencial, beleza. Então que corra atrás, estude, cresça. E, quando eu digo "estude", também não quero dizer que ela deva procurar diplomas ou coisas do gênero (se ela quiser, ótimo; mas, se não quiser, qual seria o problema?). O mais importante é mergulhar em si mesmo, tirar o melhor de si, amadurecer, ter dedicação, empenho, respeito e muito, muito amor pelo que faz.


    Beijos, Caju!


    ResponderExcluir
  12. Pois é, por isso me sinto meio peixinho fora d'água, até pra comentar postagens de poetas de essência, feito tu. Sei lá se o que direi é pertinente. Por isso tantas vezes recolho o meu amadorismo e apenas espio.

    Salve a visceralidade.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Limerique

    Poeta não anda de bicicleta
    Ele é um exemplo de asceta
    Assim tão nefelibata
    Como perdido na mata
    Contudo da palavra é esteta.

    ResponderExcluir
  14. Tenho pensado sobre isso...mas não entrei em acordo comigo mesma. Críticos "respeitados" têm exaltado poetas pelos quais não tenho nenhum encanto; há outros que me parecem incríveis e sequer são conhecidos da crítica especializada. Será a poesia uma questão de gosto, apenas? Não creio. Assim como talvez não seja mero espaço de catarse via escrita...enfim, Fred, tenho mais perguntas que respostas. Adorei o texto....fez-me seguir pensando.

    Beijo grande :)

    ResponderExcluir
  15. É por essas e outras que digo que eu não sei fazer poesia...

    ResponderExcluir
  16. Limerique

    Poetas são seres atemporais
    De acúleas mentes viscerais
    Têm dons intuitivos
    E pensamentos vivos
    Porque não tergiversam jamais.

    ResponderExcluir
  17. Limerique

    Poetas, seres um pouco estranhos
    Com egos enormes, deste tamanho
    Nefelibatas eles são
    Pensam na contra mão
    Porque não fazem parte do rebanho.

    ResponderExcluir
  18. Não tenho conhecimentos para fazer avaliações técnicas de quaisquer trabalhos artísticos. Meu prazer reside, unicamente, no "gosto/não gosto", e isso independe de eventual notoriedade do criador. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais isso sempre vai ser o mais importante. Eu não posso não gostar de tal poesia só que ela não se encaixa em tal padrão. Poesia é brincadeira gente, todo mundo pode entrar na roda. Mesmo porque vai de cada pessoa, de cada gosto. Nem todo poeta é poeta.

      Excluir
  19. Somos todos escritores, só que alguns escrevem e outros não. - José de Sousa Saramago

    bj, meu poeta porreta

    ResponderExcluir
  20. Que posso eu dizer, além de "assino embaixo"?

    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  21. Muito coerente, Caju.
    Tua opinião vale.

    Bjs

    ResponderExcluir
  22. Fred, acredito que a poesia cresce além de sua especificidade, vai mais longe.
    Tudo é possível, não se pode duvidar de nada nesse espelho poético.

    Que vc tenha sempre muito sucesso, é o que importa.

    ResponderExcluir
  23. Noda é melhor que mancha ou borrão! Meu abraço.

    ResponderExcluir
  24. Caju sempre autêntico. Quando li 12 Rotações, disse: "não sou poeta". Abraços Caju!

    ResponderExcluir
  25. Post muito pertinente para o estudo/discissão da Arte (no caso apenas me quero referir á Poesia).
    Não é Poeta quem quer, nem quando apenas sente. A Poesia é a transposição de sentimentos para o plano do legível, que bem pode ser cantada, dita, declamada...
    Escrever para parecer, apenas mostra a opinião/tendência de quem escreve.
    A linguagem deve ser apropriada, edificante e correcta para elevar o conceito do Poeta.
    O demais...


    Abraços


    SOL

    ResponderExcluir
  26. O truque talvez seja não ligar muito aos comentários, alguns são sempre tão suspeitos...
    Escreve, sem pensar no que dirão em seguida. Escreve porque o sentes e nada mais.

    [Quanto às criticas do Senhor Caju, venham elas. Alias foste o único a reparar numa gralha num texto meu, não são 30ºC e sim 3ºC...]

    Beijinho

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!