sábado, 2 de fevereiro de 2013

COR-DE-ROSA

      A Kilda Karulina

Dir-se-ia dos guardanapos
quando estão em nossa casa:
servirão para alguma festa,
quando formos fazer frituras
ou o papel higiênico acabar.

Dir-se-ia dos guardanapos
quando em uma lanchonete:
devem estar sobre as mesas,
limpam as bocas do catchup
e dispensam lavar as mãos.

Dir-se-ia dos guardanapos
quando estão amassados:
não terão nenhuma utilidade,
o lugar ideal é a lixeira
e voam pelo chão e pelo ar.

Dir-se-ia dos guardanapos
quando nas mãos do poeta:
em casa são todos inúteis,
na lanchonete são sabão
e amassados se renovam.
  

26 comentários:

  1. Cor-de-rosa encontra-se no e-book Um Título Pouco Importa, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. E quantas utilidades o guardanapo ganha!...
    Cor-de-rosa ou não, sei que ficou muito bom!

    Beijos =)

    ResponderExcluir
  3. Limerique

    Era uma vez guapos guardanapos
    Que quando sujos se tornam farrapos
    Quando limpos e dobrados
    Aguardando ser usados
    Servem até como esparadrapos.

    ResponderExcluir
  4. Nas mãos do poeta um guardanapo é uma terra sensível.
    Abr.,

    ResponderExcluir
  5. Limerique

    Era uma vez uma toalha de papel
    A qual tinha utilidade a granel
    Guardanapo de pia e fogão
    Secava de rosto até pé e mão
    Servia de toalha íntima em bordel.

    ResponderExcluir
  6. dir-se-ia que ainda se escrevem poemas em guardanapos?



    abraço

    ResponderExcluir
  7. Guardanapo cor-de-rosa penso que é seda!

    ResponderExcluir
  8. Pensando bem, o guardanapo tem um nome muito estranho. "Guarda", percebe-se o que é, mas "napo"...
    Mas o teu poema não é estranho, é magnífico. Só tu para fazeres um poema aos guardanapos...
    Bom fim de semana.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NAPE, em francês é toalha de mesa. Guarda "nape", portanto, é aquele objeto que protege a toalha de mesa, porquanto antes os comensais costumavam usar a toalha para limpar a boca. Abraços, Priest.

      Excluir
  9. diria sobre guardanapos que já me renderam belos rascunhos de poemas

    ResponderExcluir
  10. a mercê de um guardanapo e de uma caneta...

    ResponderExcluir
  11. Nas mãos do poeta, guardanapos "amassados se renovam"! Muito bom!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Os guardanapos são sempre inspiradores: ou escrevemos sobre eles ou neles!!!

    :)

    ResponderExcluir
  13. Guardanapos ao alcance de todos, e livres para nascer poesias.Parabéns

    ResponderExcluir
  14. Muito poético!
    Adorei!!!!
    Você é nota 10000

    ResponderExcluir
  15. Conheço muita gente que escreve poemas nos guardanapos.
    Acho um charme.

    Bjo.

    ResponderExcluir
  16. Pensei o mesmo que a Dade: um charme...

    Beijo, Fred

    ResponderExcluir
  17. já pensei em escrever poemas no papel higiênico e deixá-lo sobre a mesa de centro da sala, o que seria um luxo (ou lixo?)
    quanto aos guardanapos, já perdi as contas dos que me voaram
    bj, poeta porreta

    ResponderExcluir
  18. Nas mãos do poeta um guardanapo bem pode ser "terreno".

    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  19. Poesia em guardanapo: adoro! :-)
    Beijos, Fred...

    ResponderExcluir
  20. Guardanapos bordam sonhos e poesia. Viajar por esse espaço é sempre uma descoberta.
    Salve, caju!

    ResponderExcluir
  21. Até os guardanapos se renovam, dançam e pairam pelo ar.


    Abraços



    SOL


    ResponderExcluir
  22. Até nos guardanapos há poesia!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  23. e nas mãos do poeta sobem feito bolas de sabão

    beijinho

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!