sábado, 26 de janeiro de 2013

DESCRIÇÃO INDISCRETA


Após o jardim,
observo teu corte
exalando em mim
o seu cheiro forte.

Os seus lábios que não falam
se abrem, então, vejo a rosa:
todas as vozes se calam,

não há porque qualquer prosa;
as pétalas suplicaram
uma língua carinhosa.

A rosa salgada
abre-se em tesão.
ficando molhada
na penetração.
    

27 comentários:

  1. Descrição indiscreta encontra-se no e-book Lâmina de 3 Gumes, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Abre-te, rosa! O gozo é questão de segundos!

    ResponderExcluir
  3. Limerique

    Não há onde a língua ele não meta
    Onde entra língua entra a caceta
    Se o local é salgado
    Também é quente molhado
    Tarado, ele suga a borboleta.

    ResponderExcluir
  4. Nessa indiscrição, verdade e beleza. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Caju,

    remodelaste o Blogue, ora viva, ficou ótimo!
    Volto das férias, volto aos Blogues.

    Poema de cortar a língua na pétala de sal e suor... É difícil escrever poesia erótica e manter uma elegância literária, conseguiste! Parabéns.

    Abraço, C.C.

    ResponderExcluir
  6. Vixe, Caju, eu queria ter escrito essa indiscrição
    bj de quem gosta de sábados de caju

    ResponderExcluir
  7. Indiscrição gostosa de se ler.


    BeijooO*

    ResponderExcluir
  8. Mais q a delícia da metáfora divinamente maravilhosa, a surpresa do desfecho.
    Espetacular, Caju!!
    Salve!

    ResponderExcluir
  9. Ei Caju! Feliz ano novo pra vc!
    Gostei do primeiro texto que venho ver aqui esse ano, rs
    sucesso!
    =*

    ResponderExcluir
  10. "não há porque qualquer prosa;
    as pétalas suplicaram
    uma língua carinhosa"

    Sensacional!

    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  11. o eros relacionável das lavras das palavras na enseada púbica
    dos mares públicos, onde gozamos largo...
    b
    l

    ResponderExcluir
  12. Pétalas lascivas de segrego orvalho...

    Até breve, Caju!

    ResponderExcluir
  13. O tempo passa, o mundo muda, a rosa sempre exalará antigos segredos.

    Beijos, Caju.

    ResponderExcluir
  14. A poesia erótica é difícil de se criar sem "esbarrar" com as palavras.
    Um bom poema.


    Abraços


    SOL

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!