sábado, 5 de janeiro de 2013

BALADA PARA LOUCOS


Tu és a intera pro meu zareu,
um diamante no meio do céu,
minha salvação;
porra-louca, boca-de-mel,
o meu motivo de ser fiel,
minha curtição.

Tu és um doce na cachoeira,
conversa sem eira nem beira,
sol do meu verão;
sexo no mato a noite inteira,
roda de viola na fogueira,
a melhor canção.

Tu és um cogumelo no estrume,
um segredo que não se assume,
o meu coração;
és hábito, vício, costume,
universo que se resume
numa piração.
    

42 comentários:

  1. Balada para loucos encontrar-se-á no e-book F L O y D, em breve, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. O melhor do vício
    talvez deva ser extirpado...
    Gostei do layout,
    fazia tempo que não vinha aqui.

    ResponderExcluir
  3. Grande amigo Fred, teu poema trouxe-me, não sei por que - não existe um conecção -, a lembraça do bruxo Dom Juan dos livros do Carlos Caneda.
    Um abração. Tenhas um grande sábado.

    ResponderExcluir
  4. Limerique

    Era uma vez aquela fixação
    Do poeta na mulher inspiração
    Lucidez não se herda
    Por ela come merda
    E faz versos do fundo do coração.

    ResponderExcluir
  5. declaração de poeta é amor eterno!!

    :)

    belo sábado, Caju!

    ResponderExcluir
  6. é... uma balada assim, quem não quer ser louco? bju de lindo sábado

    ResponderExcluir
  7. Pira
    e acende a pira
    dá um tempo
    expira
    não cura
    e inspira
    a loucura!
    (de forma pura)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Limerique

      Era uma balada dos pirados
      Em que vários versos desviados
      Compunham a dor
      De perder um amor
      E compunham alma dos desamados.

      Excluir
  8. Pra sábado dá samba...

    Valeu o balanço! Curti! ;)

    Beijos e flores.

    ResponderExcluir
  9. Essa loucura não é falta de lucidez. Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Lembrou-me: Meu Esquema - Mundo Livre.

    (Nessa baladinha,
    até que dançaria).

    ResponderExcluir
  11. ♪♫ Lucy in the sky with diamonds ♫♪

    ResponderExcluir
  12. Limerique

    Houve época que éramos moucos
    Formos perdendo a razão aos poucos
    Lentamente talvez
    Foi-se a lucidez
    Então de vagar nos tornamos loucos.

    ResponderExcluir
  13. Grande Caju
    Conferindo aqui ... E o vídeo !!
    Vi um cogumelo no estrume quando limpei a bunda

    =)

    ResponderExcluir
  14. Loucura é um lado da moeda, lucidez, o outro. Nem sempre sabemos onde estamos. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  15. totalmente dicotômico! incrível.

    ResponderExcluir
  16. Bem assim mesmo! Essa loucura qdo envolve o coração...

    Beso

    ResponderExcluir
  17. Lembrei do Maluco beleza! rs E adorei...Falta a mélodia, que isso é altamente musical.
    Beijos (Voltando do receso).

    ResponderExcluir
  18. Fogo de loucura, ou loucura de fogo.
    Sempre dá para uma curtição. Mas não é loucura.


    Abraços


    SOL

    ResponderExcluir
  19. O milagre da poesia escorre pela loucura de cada dia. Valeu, Fred.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  20. Não entendi muito bem teu comentario no meu blog...
    mas obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  21. Acho que a próxima postagem do Relicário já tem poema certo. Louco poema.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  22. Muito legal o teu blog, caro Fred Caju! Seguindo o "Sábados de Caju".

    ResponderExcluir
  23. Limerique

    Não sei bem, balada para loucos
    Ou seria, salada para poucos
    Se falta feijão
    Não há salvação
    Grite então até ficar rouco.

    ResponderExcluir
  24. Bonito esse ritmo!
    Que 2013 te traga mil alegrias e muita paz.

    Abraço dos grandes.

    ResponderExcluir
  25. Languida lua no céu se insinua a espreitar tanta loucura!! :) Quieta se resigna por não fazer parte da piração. Pois não é que a fantasia ainda é o maior afrodisíaco? Vamos poetar, Fred!! Ainda mais em 2013! Beijus,

    ResponderExcluir
  26. Adoro essas loucuras. Lindo poema.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  27. Fantásticas as imagens!

    "porra-louca, boca-de-mel," (rs)

    "Tu és um doce na cachoeira,
    conversa sem eira nem beira,
    sol do meu verão;
    sexo no mato a noite inteira,
    roda de viola na fogueira,"


    "Tu és um cogumelo no estrume"

    "és hábito, vício, costume,"

    Gostei muito. Em certos momentos, sorri comigo mesma... Gosto dessa criatividade, dessa liberdade, e você soube colocar a pitada certa de loucura.


    Parabéns!

    Beijão!

    P.S. Estou em dívida com outros posts seus... A internet da minha casa é problemática, ontem ficou fora o dia todo (certamente passeando por aí... rs). Hoje voltou, mas estou atrasada nas minhas atividades, por isso estou na correria.

    ResponderExcluir
  28. Olha se alguém me chamasse disso não sei qual seria minha reação,hauahuauua

    ResponderExcluir
  29. Isso tudo me lembra umas piadas que sempre faz quem tem amada

    ResponderExcluir
  30. :) coisa engraçada! :)
    amor é isso, hein?!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!