sábado, 8 de dezembro de 2012

PORTEIRO


Não se chama Pedro por ironia,
assim como o porteiro celestial,
ele é o primeiro a dar bom dia
e comentar a manchete do jornal.

Tanto é porteiro, quanto é vigia:
duas funções num único salário,
se lhe dessem outro cargo, aceitaria,
desde que reduzissem seu horário.

Pedro fica o dia inteiro sentado,
mas a fadiga percorre o coração
como se tivesse o serviço dobrado,
cansaço que só ataca na solidão.

No almoço, Pedro se reconstrói,
está cercado de sua simplicidade
sem a fadiga que tanto lhe corrói,
a refeição lhe renova a vontade.

À tarde, Pedro começa novamente:
primeiro o tédio, depois o cansaço.
E antes do final do expediente
já sonha com sua rede no terraço.

E já se balançando na rede
Pedro percebe que nada mudou:
olhou o teto, o chão, a parede
e apenas a solidão encontrou.

Nem bichos, nem filhos, nem mulher.
Três ou quatro amigos do dominó.
Sem companhia para tomar café.
E noite adentro Pedro ficava só.

Se a solidão lhe trazia cansaço,
ele se cansava mais em seu abrigo,
pois no trabalho, naquele espaço,
ao menos alguém finge ser seu amigo.
     

25 comentários:

  1. Porteiro encontra-se no e-book Pentágono, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. Pedro é tão real que o conheci com outro nome. E quantos não o conheceram?
    Beijos, Fred

    ResponderExcluir
  3. Limerique

    Era uma vez um velho porteiro
    Sentado e triste o dia inteiro
    No bolso apenas furo
    Fim do mês sempre duro
    Seus "clientes" nadando no dinheiro.

    ResponderExcluir
  4. lembrei de uma canção do Belchior "era um cidadão comum desses que se vê na rua",



    abraço

    ResponderExcluir
  5. O seu olhar sempre estilhaça a realidade, Fred.
    Abr.,

    ResponderExcluir
  6. Sorte a dele que solidão não mata...

    Abraço Fred,
    do Felipe.

    ResponderExcluir
  7. Por vezes, todos nós somos porteiros.
    Bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Há muitos "Pedros" por ai.
    Bonito.

    Bjs e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  9. Amigo Fred, o teu Pedro porteiro me lembrou o Pedro pedreiro do Chico Buarque, ambos sofredores, mas o do Chico tinha mulher, pelo menos, e filhos pra se distrair. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  10. Massa Fred

    E quantos Pedros porteiros devem existir nesta megalópolis.

    Um lindo sábado de cajú

    bjs

    ResponderExcluir
  11. O teu Pedro é bem mais real do que os "Severinos" das caricaturas nordestinizadas da TV. O teu Pedro me deu vontade de sentar e puxar uma prosa, e talvez descobrir que por trás da solidão há um homem que só quer ser percebido além dos "bons dias" que lhe dão.

    Esse sábado me pegou de jeito.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. poesia cotidiana: a mais difícil de alcançar pq está na nossa cara, sem a menor indiscrição,mas você sempre consegue! parabéns!

    ResponderExcluir
  13. Uma história de todos nós, solitários sentados no pórtico da vida esperando a morte chegar.
    bj grande, poeta querido

    ResponderExcluir
  14. Cadê tu, Fred, que não me visitas? Meu porteiro é gentil. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  15. Fred belíssimo trabalho !Capta o cotidiano da era onde a solidão é a cor mais intensa.Mas é também na solidão que arte mais se expressa.Criativa tua poesia os meus aplausos de aprendiz!um beijo de violetas e meu carinho
    Estou iniciando um novo blog de fotos deixo aqui o endereço e o convite .Sua presença é uma honra para mim.
    http://marlifrancofotos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. <3


    que belo!
    boa semana pra vc! pensando nesse espaço e nesse cansaço.
    beijo

    ResponderExcluir
  17. Esse porteiro da tua bem composta trova é triste...
    Mas conheço alguns porteiros que tem família e são mais felizes e racionais que muitos catedráticos. E tem muitos , com pouco estudo, que ganha remunerações, merecidamente, maior que muito "neguinho" com curso superior.
    É a realidade do Brasil.
    Abraços e parabéns pelo grande texto.

    ResponderExcluir
  18. Pedro e seu cansaço
    que no fim valerá a pena.
    Lindo o post.

    ResponderExcluir
  19. É melhor o Pedro ser honesto
    Do que fazer bandidagem.

    ResponderExcluir
  20. Bom para meditar o trabalho e a solidão.


    Abraço


    SOL

    ResponderExcluir
  21. o cotidiano é uma poesia contingente, é para poetas de olhos atentos e mãos hábeis... gostei muito!

    pedros perdem a chave da porta todo dia.

    ResponderExcluir
  22. Olá poeta ... Gosto! O porteiro pode ser eu ...
    __ Obrigado por dispor os escritos * Abraço forte pra ti

    ResponderExcluir
  23. Ser poeta é ser porteiro. A tudo vê, vigia... Seu trabalho é abrir as portas do mundo de sonhos (e às vezes da própria realidade) aos leitores. Esses, que também 'fingem' ser amigos dele, fazem certa companhia. Excelente poema, abraços!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!