sábado, 27 de outubro de 2012

GAROTINHA DE PROGRAMA


Troca de sonho, menina,
levanta para a labuta:
bate teu ponto na esquina,
pobre jovem prostituta.

Menina da vida,
menina da rua,
na noite perdida;

sob a luz da lua,
outra vez vendida,
mais uma vez nua.

O teu corpo tão pequeno
tem um destino difícil,
pois provaste do veneno
amargo do meretrício.
   

48 comentários:

  1. Garotinha de programa encontra-se no e-book Lâmina de 3 Gumes, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. Um bom programa para sábado tem gosto de Caju!

    Aquele abraço, meu caro*

    ResponderExcluir
  3. E são tantas, em tantos cantos... Na escola em que trabalho já percebi várias.

    Triste realidade.

    Boa madrugada, moço.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. E quão amargo é o veneno daquilo que parece solução e abre uma vala devassadora a minguar a dignidade!
    Sábados de Caju tem poesias inspiradas para todo tema, inclusive espaço para problemas sociais tão aflitivos.
    Gostei do poema e da sua forma.
    Abraços e ótimo sábado!
    Daniel.

    ResponderExcluir
  5. Limerique

    Uma menina que vivia na garoa
    Não era valorizada como pessoa
    Vida sem história
    Sem qualquer glória
    Que alguns denominavam "a toa".

    ResponderExcluir
  6. Quando lembro das menininhas que, ainda brincando de boneca, vendem seus corpinhos por uns trocados, a vontade é gritar que nasci foi no mundo errado.

    Bom final de semana, Fred.

    ResponderExcluir
  7. Limerique

    Não escolheu essa vida maldita
    De madrugada se fazendo bonita
    Numa esquina discreta
    Onde diz: sou completa
    Se ainda pudesse voltava a fita.

    ResponderExcluir
  8. Limerique

    Fazendo amor com quem não ama
    Seu ambiente de trabalho é a cama
    Saltos, cílios postiços
    Decote, pele sem viço
    Usada como garota de programa.

    ResponderExcluir
  9. Certamente, meu amigo, a vida dessas pessoas deve ser muito difícil. O tema que escolheu é bastante interessante.

    Já vi que é chegado em redondilhas (é isso mesmo?... já estudei versificação, mas já faz um tempinho...).

    Beijos e valeu pela visita!

    ResponderExcluir
  10. Caju, é esse tipo de ranço que amarga a vida e que à poesia vem em sulcos, para virar suco poemal.

    ResponderExcluir
  11. Como diz Elaine, você gosta de uma redondidlha. Fui escandir os versos. São redondilhas maiores para os quartetos e redondilhas menores para os tercetos. Um soneto de caráter social para denunciar as mazelas da nossa sociedade com uma ligeira inversão da forma tradicional (dois quartetos e dois tercetos). Maravilha!
    Grande abraço,

    ResponderExcluir
  12. às vezes nem é uma garotinha, às vezes só quer mesmo ganhar dinheiro fácil, mas não estou julgando, apenas dizendo que existem vários tipos de pessoas, e algumas delas, gostam de enganar à nós, e a elas mesmas...

    abraço

    ResponderExcluir
  13. Bom dia, Caju. Obrigada pelo seu comentário no meu blog, ri com esse último. São sinceros, diferentes, com uma dose de irreverência.
    Obrigada por estar acompanhando o meu trabalho no dia em que o conheceu.
    Fico muito feliz com novos amigos e leitores!
    Quanto ao poema, uma triste realidade que afeta o nosso País todo.
    Cada vez mais cedo a prostituição entre crianças e adolescentes ocorre.
    Umas, porque querem dinheiro para si, outras, para ajudar na renda familiar, outras porque dizem gostar, enfim, os motivos são tantos, mas a tristeza é uma só: homens abusivos, exploradores, que veem fonte de prazer e dinheiro nas ninfetas.
    As meninas se privam das coisas que poderiam viver inerente a sua idade, como brincar e estudar, namorar quando estivesse apaixonada, para se mutilarem principalmente emocionalmente, uma vez que esse tipo de vida deixa marcas na alma e muitas vezes no corpo.
    Eu acredito, que a prostituição não irá acabar, infelizmente.
    O assunto é tão sério e abre-se um leque com ele.
    Em outros Países, também existe essa escravidão, muitas vezes refinadas como no Brasil também, mas que flagela a alma.
    Não deve ser nada fácil um tipo de vida assim.
    Não há o respeito enquanto pessoa para as que praticam essa profissão, sendo uma verdadeira tortura.
    Os homens que abusam de crianças e adolescentes, pra mim, são mais vis do que possamos imaginar.
    Se quer sexo, pague para uma adulta na pior das hipóteses.
    É um tema social, que eu poderia ficar por muito tempo aqui, mas você se cansaria de ler e eu de digitar!
    Parabéns!
    Beijos na alma!


    OBS: A propósito, vc não gostou da foto do celular, que mostrava a que mensagem eu me referia?
    Se foi assim, só você entendeu, rs!

    Beijos na alma e tenha um excelente fim de semana de paz!

    ResponderExcluir
  14. Olá, amigo Fred!
    O poema descreve bem a vida intensa e efêmera da messalina, que promove o deleite masculino, mas abrevia sua vida. No entanto, é tema para boa poesia.
    Feito em redondilha maior ficou ainda mais belo e rítmico.
    Parabéns pelo alumbramento!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  15. Fred, obrigada pela vistinhas no meu blog, volte mais vezes
    Gostei desse esquema do poema.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Gosto muito dessa poesia pela abordagem sociale pela maneira com que casas os versos....a prostituição é um caminho para muitas, se triste eu não sei, mas pedregoso. Obrigada pelo comentário incentivador no meu blog. meu carinho.

    ResponderExcluir
  17. GAROTINHA DE PROGRAMA é um triste retrato de nossa sociedade, que se diz cristã. Meu abraço.

    ResponderExcluir
  18. Interessante Fred, o estilo é claro. Porque a história do enredo é triste.
    Não quisesse fechar num tradicional soneto italiano?
    Abraços!

    ResponderExcluir
  19. Olá Fred, um tema triste nessa tua lindissima poesia social.
    É, amigo, é triste ver que a vida nem sempre realiza nossa harpa de sonhos...Parabéns por tua sensibilidade. Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Poesia atual sobre a profissão mais antiga do mundo!

    ResponderExcluir
  21. Triste isso, né não, Fred?
    Abraço grande.

    ResponderExcluir
  22. acham-se nas ruas perdidas e dão abrigo a tantos mendigos

    ResponderExcluir
  23. Olá Fred,

    tão conhecidas como "mulher de vida fácil" ????? triste panorama deste nosso País.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  24. Olá, Fred

    Seus poemas estão cada vez melhores, maduros.
    Também gostei do layout do blog, fazia algum tempo que não vinha te ler, gostei das novidades.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  25. - clap, clap, clap. demais.
    não é necessário dizer muito, basta que leiamos os comentários.
    o poema é perfeito quando toca a alma, mesmo quando lidamos com assuntos tão sutis como este, o meretrício.


    parabéns, Fred.
    Que Buda te ilumine sempre.

    ResponderExcluir
  26. Adorei o poema

    Contrabalançar a seriedade do “tema” com a leveza dos versos não é nada fácil!

    bj

    ResponderExcluir
  27. cá a nossa realidade é um pouco diferente, são poucos os meninos da rua, os trombadinhas
    mas o teu poema lembra-nos de não os esquecer

    obrigada

    ResponderExcluir
  28. Embora eu ache que a prostituiçao seja um "mal necessário" no tecido social (ai, que coisa mais polêmica de ser afirmar..), é mesmo muito triste que, nao sendo profissão regulamentada, atinja indevidamente crianças e profissionais despreparadas.

    ResponderExcluir
  29. A triste realidade de tantas meninas.Seus versos ficaram perfeitos para falar de algo tão delicado. Abraços!

    ResponderExcluir
  30. Dolorido...Infelizmente real.
    um abraço!

    ResponderExcluir
  31. Massa.
    Adoro seu poema rimado que faz com muita mestria.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  32. Infelizmente, muitas delas não conseguem trocar de sonho...
    Magnífico poema, muito real.
    Um abraço, caro amigo.

    ResponderExcluir
  33. Às vezes é muito triste a realidade.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  34. :/ >>> pelo poema
    :) >>> pelo qualidade

    p.

    ResponderExcluir
  35. lâmina na inocência!

    Feliz pra caramba por ter vc na minha casa nova, o beco.
    bj grande, Caju

    ResponderExcluir
  36. Triste realidade que não nos permite fechar os olhos, pelo contrário, temos que falar sempre!
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  37. não se pode fechar os olhos

    haja poetas que o escrevam

    nós, lemos

    beijo

    ResponderExcluir
  38. Querido amigo Fred, retornei ao teu espaço para te dizer que lá no meu cantinho tem um presente para você.

    Tenha um feriado excelente e um fim de semana que se estende com muita luz e alegria.
    Abraços. Daniel

    ResponderExcluir
  39. ela exagera as tintas....

    um dia me inspiro nesse assunto
    diz o filosofo que a vocação natural da mulher é ser prostituta...hmmmmforte

    ResponderExcluir
  40. Menina-veneno.

    Poema bonito que dói.

    Tá lindo esse vermelho todo aqui!

    Bjo

    ResponderExcluir
  41. "Preste atenção querida
    Embora saiba que estás resolvida
    Em cada esquina cai um pouco a tua vida
    Em pouco tempo não serás mais o que és"

    gostei muito desse teu poema, fred! me lembrou essa canção linda de Cartola, uma das minhas prediletas... ;)

    beijo grande!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!