sábado, 22 de setembro de 2012

SEM MAQUIAGEM


Dizem que ele é muito forte,
que nem tinha medo da morte.
Mas o seu coração não é de aço,
se escondendo atrás da piada,
nem o seu ofício de palhaço
autoriza alguma risada.
— Quando o seu rosto está pintado,
como o poeta, é amado.

Nunca teve muitos amigos,
só a sua sombra anda consigo.
Dividindo a vida meio a meio:
um lado vive na solidão
o outro lado, no riso alheio;
são dois homens em um coração.
— Sem a maquiagem é anônimo,
como o poeta sem pseudônimo.

O palhaço, mestre do riso,
era movido por sorrisos.
Mas com uma piada sem graça,
fica reduzido ao ridículo;
sente uma dor que nunca passa,
como pancada no testículo.
— O palhaço mostra suas cores,
como o poeta, as suas dores.

O palhaço ganha coragem
quando está com a maquiagem.
Ele não sente nenhum medo,
parece ser uma pessoa pura
que não esconde seus segredos;
faz do seu trabalho, sua cura.
— Ele só sabe trabalhar,
como o poeta, só chorar.

Quando põe o nariz vermelho,
sonha, encarando o espelho.
Às vezes pensa em desistir,
mas pensa ser tarde demais,
pois se pararem de sorrir,
ele não ficará em paz.
— Ele tenta deixar de ser,
como o poeta, se perder.
      

24 comentários:

  1. Sem maquiagem encontra-se no e-book Monopólio da Solidão, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. Limerique

    Era uma vez um velho palhaço
    Que da vida mostrava cansaço
    Rir não mais sabia
    Mas do riso vivia
    Precisava mesmo era abraço.

    ResponderExcluir
  3. Limerique

    Era um velho palhaço de cara limpa
    Que buscava riso como quem garimpa
    Mas no fundo era triste
    Com riso sempre em riste
    Pois lembrava seu tempo de supimpa.

    ResponderExcluir
  4. Mas o palhaço chora
    Enquanto o poeta, ignora!


    bjsMeus

    Catita

    Lindo poeta e linda poesia!

    ResponderExcluir
  5. Sinas semelhantes, é verdade.

    Abração, Fred.

    ResponderExcluir


  6. #ser quem somos, também é pintar essa identidade a cada dia...

    ResponderExcluir

  7. Cajuíno amigo, aqui vai um singelo haicai homenageando seu belo poema:

    Passo a passo
    eu finjo ser poeta
    por ser palhaço

    Muita paz!

    ResponderExcluir
  8. ser poeta é mesmo assim
    fazer de conta que não é
    aquilo que parece não ter fim
    perdido, ele se encontra
    palavras, versos, rimas
    o poeta não faz de conta
    quando conta o que não sente
    ele sente e põe pra fora
    dessa maneira, manda embora
    aquilo que nunca vai partir
    parindo de si mesmo
    um quase segredo
    o palhaço pinta a cara
    o poeta com a palavra
    pinta sonhos e odores
    e entrega com novas cores
    as dores que só ele vê.

    Belo poema, meu caro amigo!
    E as tintas que usaste são das cores que só poetas e suas dores podem contemplar.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Adorei, poeta Caju!!! Descrição perfeita daqueles que nos fazem viver: "o palhaço mostra suas cores, como o poeta, as suas dores."

    Boa semana com um beijo carinhoso.

    ResponderExcluir
  10. O poeta é um ser sozinho no mundo com suas dores. E a poesia nos ensina a ver o mundo, a senti-lo. É o que faz com a sua palavra mágica.
    Grande abraço, poeta,

    ResponderExcluir
  11. Olá Poeta Fred Caju, vim te agradecer pela passagem no meu blog e pelo incentivo e apreciação ao meu haicai. Gratissima!!

    Corretas comparações entre o Poeta e o Palhaço nessa tua estupenda poesia. Parabéns! É um prazer te ler!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Seria possível tirar o poeta de dentro do palhaço?..
    ...e vice-versa?
    Abração

    ResponderExcluir
  13. Olá, amigo Fred!
    Palhaça e poeta, dois artistas, um faz do riso sua arte; o outro, o amor, o sofrer são sua matéria-prima, mas ambos são solitários em si, mesmo divertindo público. São, outrossim, dionisíacos, promovem a nossa catarse.
    Bonito e magnífico poema, bem engendrados com rimas ricas, rítmicas com ótima melopeia.

    Parabéns pelo alumbramento!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Duas formas de pintar a vida. Uma, com palavras. A outra, com o riso que não sai do próprio coração. Bjs.

    ResponderExcluir
  15. De palhaço e poeta todos temos um pouco? :-)
    Beijos,

    ResponderExcluir
  16. Isso me lembrou Chico! Por 2 motivos: aquele poema de Gullar, musicado por ele e Fagner, e aquela música Ela é dançarina (acho q é esse o nome). A duplicidade é sempre bem-vinda na poesia.
    Bjo

    ResponderExcluir
  17. Poeta Fred Caju,
    Muita satisfação tenho ao conhecer seu trabalho artístico-poético-digital. Parabéns!
    Muito contente fico ao tê-lo participando do nosso www.bestiarioalagoano.blogspot.com.br e apreciando os poemas de Gonzaga Leão.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  18. Muito bom!

    Linda comparação... linda...

    Beijos =)

    ResponderExcluir
  19. Vou fazer o download do ebook. Gostei demais desse poema. O que existe por detrás da maquiagem? Só o palhaço sabe... bom domingo!!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!