sábado, 21 de julho de 2012

O SOL QUE VEM DO POENTE (excerto)


Nem foi preciso pensar muito,
não tem motivos para raiva;
abrindo janela, cortinas
e sonhos: sorriu como nunca.

Como era domingo
tudo brilhava mais,
vai ver que foi por isso
que se enganou o rapaz
com a peça da lua
que lhe tirara a paz.

Desfeito todo mal-entendido,
o jovem pôs-se a dormir
(afinal, ainda estava cedo),
sob a benção do sol e da lua.

Mas não veio a utopia:
talvez tudo acabou,
talvez tudo fugiu,
talvez tudo mofou;
mas e agora, garoto,
que você não sonhou?

Talvez sonhar naquele sono
fosse injusto com o bom senso:
ver o sol que vem do poente,
esgotara a cota de sonhos.

Quem vê aquele sol
dificilmente esquece;
a lembrança vem sempre
quando o dia amanhece:
rotina incansável
como latrina ou prece.
    

21 comentários:

  1. Lindo demais... e é só um excerto.
    Latrina ou prece? Encantada!

    Beijinho!

    ResponderExcluir
  2. Talvez, talvez...

    Bonito, Fred ;)

    Beijão

    ResponderExcluir
  3. O Fred acrescentou, não diria a cereja no bolo, mas o caju amigo no bota fora deste sábado invernal. Parabéns poeta maior, JAIR.

    ResponderExcluir
  4. Limerique

    Não é sol que vem do poente
    Tampouco é algo luzente
    É algo anormal
    Transcendental
    Que se forma na nossa mente.

    ResponderExcluir
  5. Foi de repente:
    acordei e vi o sol
    vir do poente


    Belo poema, cajuíno amigo!

    ResponderExcluir
  6. ou lágrima que esgrima a face,



    abraço

    ResponderExcluir
  7. Que beleza de poema....
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Bonito! Quem vê o sol nunca o esquece

    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Outro dia amanhece e tudo se faz sol outra vez e sonhar também! Beijos :)

    ResponderExcluir
  10. sempre doce.

    sonhar deve ser uma constante.

    bjos no coração :)

    ResponderExcluir
  11. Agradecimento a D.Everson, pela atualização do blog nesse sábado.

    O sol que vem do poente encontra-se completo no e-book homônimo, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  12. Lembro-me bem de quando li O Sol que Vem do Poente pela primeira vez! Encantador *-*
    Sucesso Caju!

    :*

    ResponderExcluir
  13. Lembranças e Medos...

    Moço, Caju,
    lhe mandei um email!

    ResponderExcluir
  14. Lindo!

    Que sejam boas as lembranças que te chegam a cada amanhecer! Do contrário, que saibas destiná-las à latrina, ou fazer delas uma prece...

    Gostei muito!

    Beijo, Caju

    Nel

    ResponderExcluir
  15. ... belo!

    Também acho que foi a cereja (o caju) no bolo!


    Beijos =)

    ResponderExcluir
  16. Ninguém esquece um sol e um sonho, ainda que acreditem nisso.
    Bj, poetaço

    ResponderExcluir
  17. Hoje é dia do Escritor, parabéns Fred!

    ResponderExcluir
  18. o sol que arde nas retinas é difícil de esquecer, as vezes até cega :)

    beijos

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!