sábado, 2 de junho de 2012

ÂNGELA


Eu sigo a direção do vento,
jamais haverá tempo ruim;
farei tudo o que for preciso
para melhorar maus momentos,
para não perder meu sorriso.

Eu sei que a vida é áspera e dura,
e que viver nunca é algo fácil,
mas sei que pode melhorar,
não farei a minha sepultura
passando os meus dias a chorar.

Quando a tristeza quer falar,
eu finjo que não estou escutando
e mantenho a mente ocupada;
do nada, começo a cantar
e a alegria retorna dobrada.

A minha alegria não está em mim,
ela mora dentro do próximo;
neles, busco a felicidade
e sempre fico feliz assim,
basta crer com sinceridade.

Não ficarei em prantos à toa,
não derramarei minhas lágrimas;
se, por acaso, um dia chorar,
será por uma razão boa,
só o que poderia me alegrar.

Quando nós buscamos a alegria,
seguimos a estrada mais curta,
não vemos que a felicidade
é conquistada a cada dia
com esforço e dificuldade.

Essa eterna luta da vida
nos torna mais tensos e sérios;
tudo parece ser mais plástico,
mas a dor parece ser diluída
por via de um sorriso fantástico,

Eu queria poder dar alegria
para as pessoas necessitadas
e para aqueles que estão doentes;
talvez pudesse fazer poesia
deixando os outros mais contentes.

A alegria não é de tempo integral,
eu tenho os meus momentos tristes,
como qualquer outra pessoa;
ser triste pode ser normal,
mas eu prefiro estar na boa.

Minha alegria não vai estancar;
a fábula da pesca ensina:
a felicidade será o anzol,
o riso, a vara de pescar,
e terei você como farol.
    

24 comentários:

  1. Ângela encontrar-se no e-book Vênus, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. Ângela é amor
    Do Cajuino Poeta
    Seja onde for.

    ResponderExcluir
  3. palavra mensageira da alegria
    semente da poesia

    abs

    ResponderExcluir
  4. e as palavras bússolas a trilhar,



    abraço

    ResponderExcluir
  5. "eu sigo a direção dos ventos, jamais haverá tempo ruim..."

    Sutil e absoluto!

    Beijooo

    ResponderExcluir
  6. Bela obra, Caju!
    Melodia poética muito bem escrita.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  7. "A minha alegria não está em mim,/ ela mora dentro do próximo"

    perfeita síntese!
    bacaníssimo poema!

    ResponderExcluir
  8. Belo, quando o poeta ama Ângela e gente.
    Bj, meu querido Cajú

    ResponderExcluir
  9. Eis a lição do amor!
    Real, poético, lindo!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  10. Tempo esse tão sacana que me afasta das belas coisas da vida..
    Mas como sou Laísa, teimosa que só ela, forcei um pause e aproveitei pra vim te ler.
    Gostei de Ângela.. casa com alegria de viver.
    um beijo, seu moço.

    ResponderExcluir
  11. "A minha alegria não está em mim,
    ela mora dentro do próximo"

    e o próximo fica alegre ao ler tal coisa.
    e que ângela sempre seja o farol aceso do poeta... ah...

    ResponderExcluir
  12. Canto forte da alegria que não se deixa deitar em "sepultura". Abraços.
    Jefferson.

    ResponderExcluir
  13. Opa, Fred. Obrigado pelo comentário.

    Nós vemos as coisas por ângulos bem diferentes, o que não significa que não possamos aprender um com o outro. Fique a vontade para ir no meu blog sempre que se sentir impelido à.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Temos mesmo que fazer um esforço constante para transformar esta vida em algo mais que faça sentido. Adorei essa dose de cajuína! rs Bjs.

    ResponderExcluir
  15. hj mesmo escrevi isso: contra meu céu, nem mesmo o vento!

    bjs!

    ResponderExcluir
  16. Sensacional!!! Otimismo é o que precisamos...li como se fosse um Rap?
    Adorei!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  17. talvez pudesse fazer poesia
    deixando os outros mais contentes :)

    ResponderExcluir
  18. Essa talagada de alegria pôs um sorriso no meu rosto!

    #Obrigada!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!