sábado, 26 de maio de 2012

MENINOS CINZENTOS

                  A Katarine Araújo

Vendendo chicletes
ou com as flanelas,
são apenas pivetes
vindos das favelas.

O sinal está fechado,
mas livre para a pobreza
avançar de qualquer lado,

com meninos sem beleza:
cinzas, magros e drogados
indo contra a correnteza.

Assim, sobrevivem,
com as pernas finas,
com tantas vertigens,
na vida assassina.
     

25 comentários:

  1. Meninos cinzentos encontrar-se no e-book Lâmina de 3 Gumes, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. realidade tbém é poesia. sempre bom lembrar.
    bjos

    ResponderExcluir
  3. Coisa da cidade
    A cada cruzamento
    Iniquidade.

    ResponderExcluir
  4. Tocante.
    Bonito e cru.
    Faz sentido, faz sentir.

    Parabéns pela escrita!

    Abraços, bons caminhos...

    ResponderExcluir
  5. Cinzentos meninos
    Por quem não dobram os sinos
    Réus de seus destinos.

    ResponderExcluir
  6. No Sinal Fechado ou no Brejo da Cruz, a desigualdade é a mesma: triste!

    ResponderExcluir
  7. Lembrei de uma música aqui do RS do início da década de 80, chama-se "Desgarragados". Aqui o link http://youtu.be/x8IUmNCDU7k
    Beijão, Fred. Lindo o poema...

    ResponderExcluir
  8. A vida fere sem piedade na desigualdade social.

    ResponderExcluir
  9. Triste realidade
    que acinzentam os meninos
    que ainda sonham
    com um lindo arco-íris....

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  10. Vidas esperando um arco-iris de cor.

    ResponderExcluir
  11. ... E a vida normalmente é em preto e branco!...

    "Os meninos carvoeiros
    Passam a caminho da cidade.
    — Eh, carvoero!
    E vão tocando os animais com um relho enorme.(...)"
    MANUEL BANDEIRA

    ResponderExcluir
  12. sempre muito bom ler-te aqui, ótimas rimas a gente só vê aqui no Sábados de Caju não gosto do caju a fruta hahaha mas sabados de caju adoro hahaha

    beijos

    ResponderExcluir
  13. Essa realidade deve ser revista.
    Aqui vemos algo ser feito. Virou poesia.
    Esperamos que esta possa também transformar a realidade.

    Bjos!

    ResponderExcluir
  14. Ai como isso doeu!

    #E esfarrapou-me, assim como a as políticas sociais do Brasil. Tão rotas...

    ResponderExcluir
  15. Sempre penso que eles não crescem. Somente a dor.
    bj imenso, poeta porreta

    ResponderExcluir
  16. conhece a canção 'tubaína'?! [ouça! aqui: http://fernandochui.com.br/musica.html ou no youtube]
    esse poema lembrou-me muito! tão bonita, verdadeira e triste quanto.

    um beijo

    ResponderExcluir
  17. estes teus meninos podiam ser meninos de qualquer parte do mundo, infelizmente...
    obrigada pelo dedo na ferida

    beijo

    ResponderExcluir
  18. sem beleza é a vida dessa maneira. esses meninos, tenho certeza, são lindos!

    ResponderExcluir
  19. Esses comentários fake,Fabio Rocha também pirou,agora só escre coisas sem sentido.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!