sábado, 12 de maio de 2012

EU PERDI O MEDO DA SOLIDÃO (excerto)


Meu legado não será sólido,
logo, não ficará em ruínas:
o tempo não pode destruí-lo;
talvez meu herdeiro o negue
ou talvez firme compromisso,
com alguma débil esperança,
de experimentar esse veneno
que a solidão sempre impõe.
Meu legado não será sólido,
sua construção foi paulatina
e crescente: quilo a quilo;
e já está para ser entregue:
é o que fiz, nada além disso,
o patrimônio dessa herança
é insignificante, é pequeno.
Meu legado não será sólido:
será o que o mundo ensina,
o que aprendi ao persegui-lo;
toda a construção se ergue
graças ao meu árduo serviço,
o qual faço desde criança.
Meu legado não será sólido,
a solidão (a minha vacina),
guiará o meu futuro pupilo
para que meu corpo sossegue
e que nem tudo fique omisso.
Meu legado não será sólido:
a solidão será a lamparina
alumiando — ao seu estilo —
tudo que meu sonho persegue.
Meu legado não será sólido,
será feito por uma chacina:
nenhum fraco irá senti-lo.
Meu legado não será sólido,
pois o fiz contra a rotina.
      

20 comentários:

  1. Eu perdi o medo da solidão encontra-se integralmente no e-book Monopólio da Solidão, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Amigo Fred, parabéns pelo teu belo poema. Gostei muito.
    Um abração. Tenhas um ótimo sábado.

    ResponderExcluir
  3. Genial Fred, perder esse medo é ssencial para se sentir bem só.

    beijos

    ResponderExcluir
  4. "... dizem que a solidão até que me faz bem"
    Pelo menos é o que diz a música...

    ResponderExcluir
  5. Difícil dizer não
    Ao cruel isolamento
    Chamado solidão.

    ResponderExcluir
  6. Fred, gostei muito. A forma como você falou de um tema que me é tão íntimo foi singular!

    Beijso,

    ResponderExcluir
  7. muito bom meu caro! digo mais "eu precisava disto dito assim feito poesia.

    abçs
    ns

    ResponderExcluir
  8. O que faço contra a rotina, só perdura na memória...
    .
    .
    .
    Adoro voltar aqui. Até a próxima.

    ResponderExcluir
  9. o meu legado também não será sólido, nem pautado na rotina.

    ResponderExcluir
  10. um mar etéreo se divisa em fortuna,


    abraço

    ResponderExcluir
  11. Quanto menos sólidos os legados, mais valiosos. Ou assim me parece ser...

    Aquele abraço!!!

    ResponderExcluir
  12. Nada é sólido nesta vida, tudo é efémero. Ao aceitarmos esta verdade conseguimos viver em paz.
    Gostei do poema

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  13. Meu legado não será sólido

    http://alguemparaconversa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Que lega(l)do!...
    ... E a solidão dissolvida na (in)decisão...


    Beijos =)

    ResponderExcluir
  15. é bonito pensar que a solidão deixa legado

    ResponderExcluir
  16. Às vezes é preciso a solidão e se sentir só. E fazer disso um exercício para que consiga enxergar melhor a si mesmo.

    Bjos!

    ResponderExcluir
  17. lembrei de machado, em brás cubas: não ter filhos; não deixar nenhum legado de sua/nossa miséria.

    bom pensar nesse nosso estar-no-mundo...

    ResponderExcluir
  18. Querido Poeta maravilha de poema reflexivo que nos carrega para as profundezas de nós .
    "A solidão é o nosso eu andando de mãos dadas com nossa alma."Marli Franco
    O teu legado Poeta é Poesia de alta maestria!
    um beijo de violetas e meu carinho

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!