sábado, 3 de março de 2012

SONORO


Sem sobrenome pra proteger,
sem dinheiro pra investir,
mas com muito pra escrever.

Perdido na floresta do medo
onde o silêncio é absoluto,
as rimas de minha poesia
são as únicas armas que luto.

Quando o som da poesia ecoa
até mesmo a dor e a tristeza
se transformam em coisa boa.

E mesmo que todos me digam
que a poesia não leva a nada,
continuarem sempre com ela
seguindo a minha jornada.

E só quando parar de zunir
o barulho dos versos alados
no céu que eu mesmo escrevi,

será a hora de me recolher
e de parar minha procissão:
a marcha poética que traço
parece entrar em estagnação.

Mas se essa hora não chegar
e o som ficar sempre alto,
com a poesia irei continuar.
     

40 comentários:

  1. Sonoro encontra-se no e-book Pentágono, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. dá um belo de um epitáfio! lindo demais. tá no sangue e na alma, não sobrevive do dinheiro nem da vida! sem poesia não dá!!!

      Excluir
  2. Nunca se desvencilhando da poesia!É com ela que, certamente, você deve ficar!!!

    Muita paz!

    ResponderExcluir
  3. Que a poesia seja sempre viva em seu coração.

    ResponderExcluir
  4. E é isso mesmo a poesia: 'o céu que nós mesmos escrevemos'.

    ResponderExcluir
  5. "Quando o som da poesia ecoa
    até mesmo a dor e a tristeza
    se transformam em coisa boa."

    "Só mesmo o doido do poeta para transformar um coice que ele leva num afago para a alma de que lê o poema e toma coice na alma."
    - Daniel Andrade -

    ResponderExcluir
  6. Fred,
    Alguns cantam, outros escrevem prosa e você tem seus canto e sua escrita através dos versos, você é o vate maior da blogsfera. Obrigado por mais um sábado elegíaco. Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  7. É redundante dizer, mas suas obras são geniais, Caju!
    Grande abraço e muito sucesso!

    ResponderExcluir
  8. Poesia sempre!

    Abraços, bons caminhos...

    ResponderExcluir
  9. Fred,
    O que escreve me dá a certeza de que a poesia lhe ferve.Tomara que o céu que você criou seja eterno.
    E seus versos alados não parem de zunir e de fazer esse barulho supostamente mudo, mas não para quem sabe ouvir.

    ResponderExcluir
  10. A primeira estrofe
    já diz tudo! Tens o dom,
    e com ele, tudo podes!
    Compartilhe conosco,
    tuas vivências.

    ResponderExcluir
  11. A poesia leva a um dos lugares mais difíceis de serem alcançados: o coração!


    Bjkas

    ResponderExcluir
  12. A poesia sempre da força
    mas sempre leva para um caminho de espinhos
    mas ela salva........ou não ....
    "a poesia prevalece" F A

    ResponderExcluir
  13. viver de poesia é não morrer de tédio.

    salve, poeta!

    ResponderExcluir
  14. então continue, meu caro, continue sempre, não pare nunca.

    abraço.

    ResponderExcluir
  15. sonoro, canoro e de grandes voos,


    abraço

    ResponderExcluir
  16. Sonoridades muito boas de ler/ouvir.

    Adorei o vídeo do Quintana.

    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. poesia é redenção, é catarse, é vida!
      Beijo

      Excluir
  17. Poesia é agonia mas é alegria.
    A sua é sinfonia.

    Bjs

    ResponderExcluir
  18. É o que sempre digo, poesia sempre! Seja no silêncio dos pensamentos ou na sonoridade das palavras.

    Bjos

    ResponderExcluir
  19. "nem parece que foi ontem"

    P.

    ResponderExcluir
  20. a poesia é uma forma gritante de dizer que o que amamos, sem ser rudes, são as palavras mais belas que você pode dizer tudo e qualqer coisa...

    lindo esse escrito amei ♥

    ResponderExcluir
  21. não paga as nossas contas, mas alimenta a nossa alma

    e tem muitos seguidores, afinal

    abraço
    LauraAlberto

    ResponderExcluir
  22. A poesia, a arte de um modo geral, é alquímica. Do nosso chumbo fazemos ouro, né não?

    Beijão, Fred!

    ResponderExcluir
  23. Esta é a alma do poeta falando, e quando isso aconteçe tudo passa para segundo plano...
    Abraço poeta

    ResponderExcluir
  24. O itinerário da palavra...atingindo direto o lugar onde o mundo se torna legível!

    Abraço do Pedra do Sertão

    ResponderExcluir
  25. ai que lindo! que a poesia nos renda!

    ResponderExcluir
  26. Obrigado pela visita. E sim, as aquarelas são minhas. Guardei o link de seu blog no Reader, logo logo vou comentar mais.

    ResponderExcluir
  27. Meu querido poeta Cajuíno, o que será dos meus sábados sem teus gritos?
    Faça não!
    Bj grande

    ResponderExcluir
  28. Querido Amigo e poeta.
    Já algum tempo não passava no no seu blog tenho estada afastada
    mais estou tentando visitar meus seguidores.
    Seu poema esta lindo poeta espero receber você no meu blog também.
    Uma linda noite.
    Evanir..

    ResponderExcluir
  29. Olá Fred,há tempo tenho estado afastada deste mundo maravilhoso dos blogs,estou lentamente voltando com postagens e tentando visitar meus amigos aqui.Como sempre seus poemas são reveladores de vários valores e sensações.Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  30. Seguiremos sempre, como dizes. Até o fim, porque parece impossível não seguir.

    Por mais que "não valha nada", o prazer de escrever supera sempre!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  31. Lindos os seus versos.
    escritos com ternura e força.
    me deu forças para meus versos
    no seu dizer e no meu

    Mesmo que digam que a poesia está em vias
    de extinção (a de qualidade)
    eu vou continuar a escrever.

    Obrigada por o encontrar nos "7degraus"

    Maria Luísa

    ResponderExcluir
  32. é isso!
    companheira no silêncio ou no alarido... a palavra é [está no] ar!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!