sábado, 18 de fevereiro de 2012

KIERKEGAARD


Fico esperando um ônibus,
ou quem sabe um disco voador,
para voltar para minha casa
onde vou sonhar com todos,
andar pelado e assistir TV.
Saiu da minha realidade
através de qualquer droga
que complete o meu vazio.
Ingiro mais um café amargo
para satisfazer a saudade,
com a esperança de voltar
a adoçar a bebida escura.
As tardes, aparentemente,
perdidas na estrada da vida
parecem ficar ainda maiores
quando a alma quer virar
uma porra-louca dopada.
         

23 comentários:

  1. Kierkegaard encontra-se no e-book Um Título Pouco Importa, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Beleza pura...também tô esperando um disco voador!
    Bjo, bjo!

    ResponderExcluir
  3. Você só tem um. Eu vou pegar carona no seu disco voador, pode? Beijos, Fred..

    ResponderExcluir
  4. alma
    a tormenta
    [d]a mente -

    [ou o contrário?]

    ResponderExcluir
  5. E na TV passam coisas
    que nos faz, realmente,
    querer um disco voador,
    para partir!

    ResponderExcluir
  6. Caro Fred,
    Mais uma vez você fez do sábado um dia especial por essa "sacada" genial. Abraços e parabéns, JAIR.

    ResponderExcluir
  7. Eu chamo esta droga de ESPERANÇA.

    um beijo ac(ajuizado).

    ResponderExcluir
  8. disco voador
    " o seu moço do disco voador me leve com você pra onde você for"
    automático lembrar

    abraços

    ResponderExcluir
  9. Café amargo para satisfazer a saudade

    Isso já valeu o poema inteiro!

    Mandou, como sempre, muito bem, cajuíno amigo!

    ResponderExcluir
  10. sempre cheio de palavras, decifros inimagináveis, e coisas aereas muito bom ler aqui

    ResponderExcluir
  11. "As tardes, aparentemente,
    perdidas na estrada da vida
    parecem ficar ainda maiores
    quando a alma quer virar
    uma porra-louca dopada."

    Lembrou Cazuza...

    ótimo poema!

    ResponderExcluir
  12. me explica aí a vib desse poema, saquei umas partes noutras voei hehehehehe

    ResponderExcluir
  13. as vezes saber retornar é o desafio maior. Forte abraço

    ResponderExcluir
  14. Somos seres feitos de lacunas e silêncios, entre eles habita o conflito. Queria poder fugir assim de vez em quando.

    Amei o texto!

    Beijo grande

    ResponderExcluir
  15. Convite aceito! Vim conhecer teu espaço e gostei bastante do que vi. Já recomendei teu blog e espero que gostes também de visitar meu escafandro. Abraços e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  16. às vezes é bom sair um pouco da realidade, mas nunca perder o caminho de volta.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  17. Ô Fred, nem me fale nesse maldito
    horário; assim o chamemos. Por
    ser de fato cruel.

    Mas, como não há outra
    escolha, faço o pedido
    por aqui mesmo.
    Posso aceitar seu
    convite de conhecer
    nossa Olinda,
    ao próximo fim de semana?
    Espero que sim. Um abraço!

    ResponderExcluir
  18. Alma dopada;
    Deixemo-nos
    a todo custo.

    A louca
    proposital,
    é de bom
    Grado.
    Paz.

    ResponderExcluir
  19. Bastante humorado e inteligente o seu poema, Fred. Gostei! Um beijo!

    ResponderExcluir
  20. Forte!!! Café amargo sem pudor nem medo sinceridade escrachada.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  21. Adorei esse poema!
    Grato pela vista amigo!
    Abração

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!