sábado, 4 de fevereiro de 2012

CINCO DIAS INÚTEIS


Eu começo a minha rotina
sabendo qual será a sina.
Eu não tenho alternativa:
se não me submeter, morro;
nem sequer tenho perspectiva
para pedir algum socorro.
— Triste começo de semana
para quem diz que não se engana.

Nessa terça-feira maldita
vou fazer tudo que me irrita.
Não perceberei o que fiz
farei tudo de forma tácita;
a vida fica por um triz
mas não percebo, sou uma máquina.
— Em escala industrial,
a solidão se fez normal.

Minha semana chega ao meio
e sou coberto por receios.
Talvez seja essa fadiga
(que escondo por fingir ser forte),
pois o meu corpo já mendiga
qualquer ajuda ou suporte.
— E sempre se repete tudo
enquanto o mundo fica mudo.

Juro que nessa quinta-feira
Viverei de outra maneira.
Será bem menos enfadonho,
mas será que tenho coragem
para perseguir o meu sonho
e romper essa engrenagem?
— Mas não basta apenas pensar,
difícil é concretizar.

Essa semana chega ao fim,
mas não é tão simples assim.
Esse ciclo de solidão
não para de se repetir,
nem preciso de previsão
para ver que não vou sorrir.
— A vida não produziu nada,
mas está bastante cansada.
         

45 comentários:

  1. Cinco dias inúteis encontra-se no e-book Monopólio da Solidão, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. fazer engrenar a fábrica de poesia facilita o dia-a-dia!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Fred,


    Passamos por fases assim: improdutivas e cansativas,

    Mas nada como um dia após o outro,



    Bjkas

    ResponderExcluir
  4. Quando o tempo fere, machuca, a vida se cansa e espera um novo sol.

    Muito bom, Fred!

    abraço.

    ResponderExcluir
  5. O trabalho não enobrece o homem, apenas cansa e mata.

    ResponderExcluir
  6. E começa tudo de novo,
    mas com essa poesia, um sorriso
    quem sabe
    há de dar?

    Beijo

    ResponderExcluir
  7. "A vida não produziu nada,
    mas está bastante cansada."

    que triste fim para a poesia do viver.

    muito bom, fred!

    abraço!

    ResponderExcluir
  8. Cinco túmulos!
    Bj imenso, meu poeta de forte sumo

    ResponderExcluir
  9. Sempre existirá dias assim, mas como as tempestades, também passam.

    ResponderExcluir
  10. E outra semana começa! Muito bom, cajuíno amigo!

    ResponderExcluir
  11. Semana maldita
    Você trabalha trabalha
    E só se irrita.

    ResponderExcluir
  12. Grato pela visita!
    Respira fundo, ouve uma música e deixa a alma voar; tente!
    A gente cansa, caí...mas levanta, pois cada dia o sol é diferente...ou é o nosso olhar?
    Abração!

    ResponderExcluir
  13. morremos inúmeras vezes, mas renascer é sempre bom. é isso, aproveite o sábado, uma música... a lua... quem sabe o sol nasce amanhã.
    bjo.

    ResponderExcluir
  14. a solidão que se fez normal. tão triste...

    ResponderExcluir
  15. que viagens!!!

    que mundos diferentes não podemos visitar
    tão belos como o seu

    gostei muito do seu blog
    acabo de desembarcar na sua poesia

    abração

    ResponderExcluir
  16. Que tal viver o instante,
    [este, presente]
    sem se importar com
    o dia da semana?

    Nem temos mais que o instante!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  17. Me identifiquei de cara com esse poema. A rotina implacável e cruel, a necessidade de mudar sem conseguir, Fred, vc soube expressar poeticamente essa inquietude, beijo.

    ResponderExcluir
  18. enquanto existir sonho, apesar do cansaço, ainda existirá força.

    beijos

    ResponderExcluir
  19. Também ando cansada da vida e da solidão. Mas, é preciso acreditar no movimento que o pensamento traz e faz com que coisas mudem e novos caminhos apareçam. É preciso buscar, sempre.

    Bjos

    ResponderExcluir
  20. Eu estava assim, mas a vida tem o momento certo de tornar tudo novo!
    Que venham mais cinco dias úteis por ai!
    Um abraço
    Ju

    ResponderExcluir


  21. Seg Ter Qua Qui SEX!

    Sab Dom repense!

    :o)

    ResponderExcluir
  22. Vivemos o eterno retorno mecanicista de Frederick Taylor.
    Mas, isso só acontece com quem está vivo, não é vero?!

    ResponderExcluir
  23. corta um dobrado o riscado...

    beijo, caju!

    ResponderExcluir
  24. Segue-se então,
    ao martírio da semana...

    ResponderExcluir
  25. Tá de facebook novo, te procurei e não te achei!!!

    Queria falar com vc!!

    ericammaria@gmail.com


    Bjos!

    ResponderExcluir
  26. uau...
    acho que teus versos falaram por muitos aqui - eu me incluo.

    e a semana segue o passo lento dos andantes desajeitados.

    ResponderExcluir
  27. Olá!
    Concordo com o que você falou no meu blog a respeito do ostar e não gostar,do voltar e não voltar.
    Acho que quando abrimos um espaço onde todos podem opinar,estamos sujeitos à critica.
    Sou sincera quando digo que gosteido su blog e em especial do seu poema: 5 dias úteis.
    Grande abraço
    se cuida

    ResponderExcluir
  28. Olá Fred, posso te chamar assim?

    Obrigada pela visita em meu blog, adorei! Sou super fã do Tom Zé, acho inteligentíssimo, obrigada mesmo pelos versos.
    Seu cantinho é maravilhoso, cheio de poesia e verdades. Já estou seguindo.

    Beijocas carinhosas da...
    Fe

    ResponderExcluir
  29. cada dia uma tempestade que nos torna solitários, cada solidão que nos leva a um drama irracional...no final todos os dias são a ausência prolongada.

    bj

    ResponderExcluir
  30. Mr. Caju,
    sem rima,
    lhe proponho que visite meu humilde site.
    Inácio Carranca ativo na blogosfera.

    http://inaciocarranca.blogspot.com

    ResponderExcluir
  31. Querido Fred, você está precisando encontrar um grande amor para lubrificar as engrenagens dessa vida. Se conseguir, me dá a dica, rs. Beijo no coração!

    ResponderExcluir
  32. "Em escala industrial,
    a solidão se fez normal.
    E sempre se repete tudo
    enquanto o mundo fica mudo."

    Profundos e belos estes versos

    Abraço

    (em visita, primeira, a teu espaço poético)

    ResponderExcluir
  33. Caju, oi... Tudo bem? Fiquei lendo aqui, imersa em sua poética... E fiz cada reflexão, cada introspecção. E fiquei tentada a lhe perguntar tanta coisa, fazendo-me advogada de defesa da vida. Mas não posso e não devo fazer isso, afinal é a primeira vez que venho lhe ver/ler, e não tenho esse direito de já "chegar dando uma voadora".
    Mas digo que gosto dessa poesia questionadora, e que me incomoda, e que me provoca, como a sua. Uma poética ácida como o gosto de caju que fica na minha boca, quando o degusto...

    ResponderExcluir
  34. Nossa, o poema mostrou os dias de eterna promessa que não se renovam! Cheguei tarde, mas cheguei rs Beijos,

    ResponderExcluir
  35. é só uma repetição incessante...

    excelente representação cotidiana!

    ResponderExcluir
  36. Quando a vida se torna essa rotina, começa a não produzir mais...

    ResponderExcluir
  37. Hoje sei bem;
    compreendo a risca,
    essa tal rotina.
    E voa terna sob
    meus pés calejados.
    Gosto disso!


    Saudade; acredite!

    ResponderExcluir
  38. Dificil é eu não me identificar com cada verso...

    ResponderExcluir
  39. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  40. Li vários de seus poemas e gostei da sua forma direta de abordar as coisas mais triviais. Na verdade, os dias, as semanas e os meses não são tão diferentes; nada é tão mais criativo para se fazer que já não tenha sido feito... E por nós mesmos na maioria das vezes.
    Desculpe, errei no comentário acima.

    Gostei muito.
    bjs
    Tais Luso

    ResponderExcluir
  41. Que tal começar agradcendo pela semana? Parabés pelo espaço. Gr.Bj.

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!