sábado, 21 de janeiro de 2012

CONTRADIÇÕES COERENTES

V

Meu corpo se vicia
na multidão.
Mas um silêncio,
quase evasivo,
firma-se no calçamento.

Minha alma se sacia
na solidão.
Mas um barulho,
alternativo,
calça-se no firmamento.
      

45 comentários:

  1. Contradições coerentes encontra-se, na íntegra, no e-book homônimo, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. Bom demais! O jogo de palavras contrárias que se encaixam ficou muito bom!

    ResponderExcluir
  3. Bonito esse jogo de palavras, Fred.
    Abraço grande.

    ResponderExcluir
  4. pergunto-me qual som embriagaria os ouvidos? teu poema deu um ar de mistério. beijo

    ResponderExcluir
  5. Fred,
    Muito bom, cada vez que você comete uma cajuada amiga eleva o nível da blogsfera. Parabéns, JAIR.

    ResponderExcluir
  6. Lindo. contradições, coerentes ou não, são o forte do ser humano.

    ResponderExcluir
  7. perfeita contradição do (ser) humano

    ResponderExcluir
  8. Excelente. Bem do que alimenta a alma em suas contradições humanas e inevitáveis.

    abraço!

    ResponderExcluir
  9. Sempre trazendo inspiração!
    Bom final de semana, e
    obrigada pela ajuda!

    ResponderExcluir
  10. Olá passei para conhecer o seu blog,
    adorei!

    ResponderExcluir
  11. Nada a comentar a não ser o que o próprio nome já diz:

    "Contradições Coerentes".

    Gostei!
    :D

    ResponderExcluir
  12. como poderia a alma se saciar na solidão, a minha não consegue...

    ResponderExcluir
  13. Otimo para um dia triste
    conforta a alma
    abraços

    ResponderExcluir
  14. Meu querido Caju arretado! Quer mais coerência do que a contradição?
    Um beijo de cá

    ResponderExcluir
  15. Eu sempre gostei de contradições. Sempre me encontrei nas contradições. Sempre achei que elas no fundo, não são oposição e sim complemento.

    Então, não preciso dizer o quanto gostei dos versos. Você usa muito bem as palavras.

    Ah, a respeito do meu nome, é Loridane. Muito prazer. =)

    E obrigada pela visita.

    ;)

    ResponderExcluir
  16. Rapaz, vejo nosso amigo Ednaldo nesse texto.

    ResponderExcluir
  17. por vezes acho que sou só calçada. Obrigada pela visita no Confissionarium. Beijo.

    ResponderExcluir
  18. Todos seus poemas são super. Este é soberbo.Gostei demais. Parabéns!

    ResponderExcluir
  19. eu não conhecia, mas é muito bom :)
    escreve muito bem, beijos e abraços !

    ResponderExcluir
  20. Ola Fred,
    Nossa, demais!!
    Um beijo

    ResponderExcluir
  21. Obrigada pela visita.
    Interessante o seu blog.
    "Minha alma se sacia na solidão"...adorei esta frase

    Abraço :)

    ResponderExcluir
  22. - olá, Fred. não venho aqui falar desse poema especificamente. Venho, na verdade, elogiá-lo pelo conteúdo num todo. Parabéns, meu caro. Percorri seu blog por algum tempo e é muito bom saber que existe pessoas como você, disposto a distribuir arte de uma maneira tão linda e simples.

    ps: estou baixando seu último e-book.
    grande abraço, meu caro, pode ter certeza que estarei aqui mais e mais vezes.

    que Buda te ilumine sempre.

    ResponderExcluir
  23. andei lendo suas poesias e gostando muito!

    ResponderExcluir
  24. Que maravilha! Adorei seu blog! Li e reli muita coisa e fiquei maravilhado. Já te sigo, com alegria, já! Se puder visitar e quiser seguir o meu blog (www.ludugero.blogspt.com), vou gostar de ter por lá seus coments. Abração.
    João Ludugero, poeta. Até mais!

    ResponderExcluir
  25. Olá, Fred,

    depois de uma longa temporada sem visitas, estou cá de novo e sempre surpreendida pela poética sensível de suas palavras!

    Abraço,

    Araceli

    www.pedradosertao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  26. Nem multidão, nem solidão. Nesta contradição buscamos a contradição absoluta, que é tudo e nada, ao mesmo tempo... será? O amor?

    Obrigada a visita, sempre venho, nunca sei o que expressar, expresso ao vento o meu contentamento e só,

    até mais ver.

    ResponderExcluir
  27. Belas poesias! Parabens! Obrigado pela visita...

    ResponderExcluir
  28. Bom dia, meu nome é Lunna e cheguei ao seu blog através da Luciana Nepomuceno. Sou editora da revista Mostra Plural (editada em São Paulo) que está em sua segunda edição, ainda engatinhando. Tenho um espaço de três páginas para poesias e ao ler seus escritos me interessei por publicá-los. Infelizmente tenho prazo para fechar esse espaço. Por isso se tiver interesse e puder me fornecer seu material escrito para publicação, peço que envie para meu e-mail "meninanosotao@gmail.com" até as 18 horas de hoje. A revista é produzida pela estação zero www.estacaozero.wordpress.com (caso queira mais informações a respeito). E eu tenho um blog www.meninanosotao.wordpress.com onde pode saber um pouco mais sobre mim (mas está desatualizado por falta de tempo mesmo). rs
    Enfim, acho que é apenas isso. Eu dou preferência por poesias em sequencia, que pertençam a uma mesma série e que tenham um título pronto para facilitar a diagramação e ocupar o espaço disponível da revista. Acho que quatro ou cinco poesias (dependendo do tamanho) seria o ideal.
    No aguardo e desde já agradeço sua atenção. abraços

    ResponderExcluir
  29. Oi meu amigo,

    E é no silêncio que temos as respostas para tudo... E é no silêncio que conseguimos nos reorganizar...

    Beijos,

    ResponderExcluir
  30. somos todos vícios em busca de satisfação.

    belo jogo de palavras!

    ResponderExcluir
  31. "Firma-se no calçamento/Calça-se no firmamento"
    Perfeito meu irmão, parabéns pelo talento!

    Forte abraço Õ/

    ResponderExcluir
  32. Fred,
    Sobre seguir meu blogue, veja o que o Júlio Machado postou como comentário:
    "Sobre seguir o blog, eu acho que o procedimento é o seguinte, em vez de clicar em "participar deste site", vá até a barra superior, onde está escrito "Seguir", ao lado de "Compartilhar".
    Ao menos, comigo, em alguns blogs, são assim que eu consigo adicioná-los.
    Abraços. ( Espero ter ajudado)"

    ResponderExcluir
  33. Por mais que nos fechamos em nosso solidão, sempre vem um barulho de fora.

    Muito bom poema Fred, como sempre!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  34. Menino, há duas semanas venho tentando comentar em seu blogue e não consigo. Li no Eurico que ele também não consegue. Nem ler os comentários aqui postados era possível. Parece que agora sim, consegui. Já havia lido o poema, que revela, talvez, nossas contardições ou uma força maior que nos impele a olhar pra dentro. Gostei muito do poema da semana passada (que não pude comentar também), mas me achei bem por aqui, nesse! rs
    Beijos, Fred!

    ResponderExcluir
  35. Da primeira vez que li parece que comenteu outro poema olhando agora para o comentário. Dessa vez achei absolutamente deliciosa essa rima e digna de ser cantada baixinho. beijos

    ResponderExcluir
  36. Afinal vou conseguir comentar por aqui.
    Havia algo com defeito na página.
    Agora sim.
    Fred, amigo, grato, gratíssimo pela tua visita no Eu-lírico.
    Gosto dos sábados e dos cajus. Gosto das chuvas dos cajus, das cajuadas, de contar o tempo pelas safras de cajus já vividas, como os aborígenes de nosso litoral.

    Muito bom, teu blog.
    Já estava te seguindo há um tempo.

    Abç fraterno.

    ResponderExcluir
  37. Hahaha... sempre coerente!...
    ... Ou nem tudo se explica...?!


    Beijos =)

    ResponderExcluir
  38. De ruídos e silencios - é a vida ...

    ResponderExcluir
  39. São nas contradições que encontramos aquilo que chamam de meio termo, ponto de equilibrio. Adorei.

    ResponderExcluir
  40. É preciso estar dentro para olhar para fora e vice-versa.
    Belo texto.

    ResponderExcluir
  41. Ando me sentindo cada vez mais assim ultimamente, cheia de contradições totalmente coerentes.

    Bjos

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!