sábado, 14 de janeiro de 2012

CARTAS NA MESA


Pois saiba que agora
não vou mais mentir:
vou-me sem demora,
cansei de fingir.

Amor: assim eu te chamo,
entretanto, meu querido,
apenas te quis, não te amo;

mas, não fique ressentido:
eu juro que não reclamo
do sexo malsucedido.

Vá, procure alguém
bom para você;
pro seu próprio bem,
melhor me esquecer.
       

32 comentários:

  1. Cartas na mesa encontra-se no e-book Lâmina de 3 Gumes, em breve, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tô conseguindo postar meu coment aqui... então vai cá mesmo!

      hunf...
      pelo menos tem coragem, hein!

      Excluir
  2. Versos perfeitos para mandar alguém que não o quer para o quinto dos infernos!

    Muito bem construído, cajuíno amigo!

    ResponderExcluir
  3. Pepitas

    Seus devaneios
    Profundos, preciosos,
    Ouro em veios.

    ResponderExcluir
  4. cartas na mesa e um lance de dados, evoé


    abraço

    ResponderExcluir
  5. Bom poema, amigo Fred.
    Passando por aqui para deixar o meu abraço.
    Tenhas um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  6. vá procurar alguém...
    é isso que muita gente tem vontade de dizer, mas não consegue.

    por que eu sou especialistas em bons nomes pra blogs? haha

    ResponderExcluir
  7. Público masculino maior que o feminino?!
    Quem diria, Sr. Caju!

    ResponderExcluir
  8. Haha...
    Para esse uma dose de suco de caju com vodca...

    Essa estrofe foi a melhor:
    "Amor: assim eu te chamo,
    entretanto, meu querido,
    apenas te quis, não te amo"


    Beijos =)

    ResponderExcluir
  9. Poema nu e cru!
    Bj grande, Fred querido

    ResponderExcluir
  10. Esse foi o melhor adeus que já vi... lindo poema!

    Deixo-te meu carinho e um beijo.

    ResponderExcluir
  11. Cartas na mesa e olhos nos olhos.
    lindo poema.

    Te deixo um beijo

    ResponderExcluir
  12. curioso era mesmo esse o título que ia dar ao meu post :)

    ResponderExcluir
  13. ah sim, agora entendi :)
    o bar meio ruim é um blog de um amigo meu, que ele me chamou pra contribuir, mas que no final não foi muito pra frente.
    arroz de festa é uma ideia de um outro blog coletivo, que também não foi pra frente.
    os nomes podem ser bons, mas as ideias logo acabam hahaha

    ResponderExcluir
  14. Poema gostoso, vivo e resoluto.

    Fiquei mesmo pensando nessa mania das pessoas confundirem: "Ei amor" "Meu amorzinho" "Amoreco" e esses apelidinhos todos (pouco aconselháveis, eu acho)com "Eu te amo".

    Uma forma doce de mandar passear. Gostei.

    Aliás, do blog também. Volto outras vezes.

    Bjo.

    ResponderExcluir
  15. Eu adorei todo o sentimento e sensações jogadas ... adoro ter coragem de fazer isso, mandar alguém embora quando isso se torna necessário.

    ResponderExcluir
  16. Fred Caju,

    querer

    amar

    eis o jogo

    eis a definição.

    Obrigada pelo comentário em razão do post da minha parceria com o poeta Jorge Pimenta.

    Gostei dos teus poemas, estilo livre, solto.

    Estou seguindo teu blog, se quiser seguir o meu, ótimo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. cartas na mesa é coisa de eu lírico feminino, independente do sexo.bonito e doído poema franco!

    ResponderExcluir
  18. Amor deve sempre ter a premissa de colocar as cartas na mesa. Forte e lindo!

    ResponderExcluir
  19. Eis uma forma poética para finalizar um relacionamento!....rsss... Mas, pena que não vá doer menos, mesmo com as rimas.

    Excelente composição, Caju! Falta só a melodia...

    Beijos,

    Nel

    ResponderExcluir
  20. ofereça bromélias junto com seu tesão
    aproveite pra dizer que ninguém manda no seu coração.

    :o)

    bjs, k.

    ResponderExcluir
  21. Em algum momento, temos que partir e às vezes já fomos mesmo sem termos ido.

    Bjos

    ResponderExcluir
  22. Lembrei de "A vida como ela é"...
    muito bom o poema!

    ResponderExcluir
  23. é... o amor não é brincadeira!
    beijos

    ResponderExcluir
  24. Tem vezes que o melhor é esse caminho contrário, e o esquecimento.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  25. Palavras que podiam ter sido ditas por mim ao invés de um frio "adeus". Ficou explicativo mas sensível,ao mesmo tempo. Quem dera pudéssemos ser sensíveis na hora de dar adeus! Beijo

    http://biacentrismo.blogspot.com (curte a página no facebook tb!)

    ResponderExcluir
  26. Fred,
    Coisas do amor.
    Quando faz sofrer, melhor mesmo, é esquecer.

    beijos

    ResponderExcluir
  27. É tudo o que não se quer ouvir...

    Bjs

    ResponderExcluir
  28. Li com ritmo, poderia ser uma música. ;)

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!