sábado, 31 de dezembro de 2011

O SOL QUE VEM DO POENTE (excerto)

O jovem, então, era dois:
Alguém que tem os pés no chão
que tem dentro de si, outrem
com os sonhos simples e puros.

O sol, por outro lado,
tem apenas um rosto,
não foge de ninguém
e sempre está exposto;
é tão peculiar
que não tem nem oposto.

São dois lutando contra um,
mas dois em constante conflito
é desvantagem na batalha,
pois não rendem nem a metade.

Para vencer a luta,
primeiro, o menino
precisava definir
o seu próprio destino:
ou criava raízes
ou seria peregrino.

Então percorreu com os olhos
o quarto cada vez mais claro
como quem quer se despedir
para nunca mais retornar.

O relógio não para
para ninguém pensar;
tomado por instinto,
pôs-se a caminhar
em direção à porta:
resolvera lutar.
       

35 comentários:

  1. O sol que vem do poente encontra-se completo no e-book homônimo, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. tão belo lirismo.

    "O sol, por outro lado,
    tem apenas um rosto,
    não foge de ninguém
    e sempre está exposto;
    é tão peculiar
    que não tem nem oposto"

    feliz 2012, fred!
    uma acolhedora passagem
    de ano para você.

    abraço!

    ResponderExcluir
  3. Raízes ou asas? Um instigante poema, Fred!
    Que venha, de fato, um algo novo nisso que convencionalmente se chama de ano novo!
    Beijos,

    ResponderExcluir
  4. Caju,
    Meus sábados são mais líricos depois que conheci teu blogue. Nada como um caju amigo para abrir o fim de semana. Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  5. "precisava definir
    o seu próprio destino:
    ou criava raízes
    ou seria peregrino."

    Meu dilema eterno. E, hoje, mais do que nunca...

    Obrigada por fazer valer a pena cada visita minha aqui. E que venha 2012... =)

    ResponderExcluir
  6. E esse tic tac interminável, que nos lembra da brevidade dos dias,


    Que seja um ano intenso, e de muita, muita paz!

    ResponderExcluir
  7. Professor Fred, teu poema remeteu minha memória para dentro do livro de Herman Hesse, o lobo da estepe, mais especificamente para a passagem do comentário de que o homem traz um lobo e uma raposa dentro de si, aliás, pode ser um lobo e um coelho, um pardal... qualquer outro bicho...enfim, o que importa é que no fundo somos campo de batalhas de forças antagônicas.
    Ah, o mais importante aqui; o teu poema é muito bom.
    Um abração. Tenhas um lindo e maravilhoso ano de 2012.

    ResponderExcluir
  8. Criemos raízes durante a peregrinação - eu diria ao menino. :)

    Bonito poema!

    Bjs, Fred! Um 2012 iluminado pra vc!!

    ResponderExcluir
  9. Beleza de poema. E muito apropriado para a ocasião. E prosseguimos...

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  10. Fred, meu cajuíno amigo, belo demais o seu poema!

    Feliz 2012!

    ResponderExcluir
  11. Ah, que bonito, Fred!
    A tua poesia faz o sábado ser especial.
    Bjos meus,
    Dani

    ResponderExcluir
  12. Um 2012 cheio de amor, de paz e alegrias para você.
    bj

    ResponderExcluir
  13. Sempre me inspiro mais vindo aqui (mesmo sem comentar com frequência). Espero que 2012 traga coisas melhores pra você (pra todos)!
    Boas festas!

    ResponderExcluir
  14. criar raízes ou não...ta ai uma bela questão pra se pensar!:D

    Adorei as poesias! Parabéns! É um lindo dom!!

    **tb achei curioso o nome do seu blog ahahh, pq sábados de caju? *criativo, bonitinho!
    Da uma passadinha la no mulher grátis até as 23h q te explico de onde vem esse nome hauah

    Obrigada pelo comentário por la!
    Tenha um ano maravilhoso, cheio de aventuras e realizações!
    bjoo

    ResponderExcluir
  15. e vamos à luta, sem perder a ternura



    abraços

    ResponderExcluir
  16. Eu gosto de ter raízes, mas será que elas cabem nas malas?? :)
    beijosss

    ResponderExcluir
  17. Buscar sempre, mesmo que a caminhada seja longa. O importante é não perder a fé nunca. Feliz 2012. Beijos e sorte.

    ResponderExcluir
  18. Linda poesia, Caju!
    E vamos em frente!
    Grande abraço, sucesso e feliz 2012.

    ResponderExcluir
  19. Belo texto, belo conselho.
    Parabéns e que nesso novo ano a inspiração chegue em dobro.

    ResponderExcluir
  20. Não posso me esquecer desse compromisso,aos sábados. Gosto de sua poesia.

    ResponderExcluir
  21. Ahhhh que lindo! Que seja uma bela caminhada ao peregrino!

    ResponderExcluir
  22. Ir a luta sempre,
    sem medo de se humilhar.
    É melhor buscar seu lugar como estela
    Ou deixar-se ao chão
    como grão de areia, à pisar?
    Bem, todos tem o seu valor.

    Belo escrito, caro Caju.

    ResponderExcluir
  23. o relógio não para pra ninguém pensar...
    felizmente o pensamento não necessita de pausas...

    ResponderExcluir
  24. Passando por aqui somente para lhe desejar um feliz Ano Novo Fred! Inspiração, sucesso e alegrias enfim!!!

    ResponderExcluir
  25. Fred, meu poeta querido, que a vida seja a primeira escolha, mas sem abandonar as armas de Jorge: A coragem!
    Bj e vitalidade para 2012

    ResponderExcluir
  26. Feliz ano novo, baby!
    Sei que você adora esse tipo de votos!

    Patricia.

    ResponderExcluir
  27. Olá

    Não existe ano novo
    se não houver sonhos novos.
    Desejo que neste novo ano,
    cada dia de vida da sua história,
    seja vivido de modo calmo e pleno,
    e que possas viver
    o mais intenso caso de amor
    com a sua vida,
    e com os que fazem parte da sua vida.

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderExcluir
  28. Que a felicidade te acompanhe sempre e que ela seja
    sua companheira constante no decorrer desse Ano de 2012.
    Sigamos avante, para o alto e com um sorriso no rosto! Paz e luz.
    E já no final dessa primeira semana de Ano Novo.
    Desejo um feliz e abençoado final de semana.
    Vou continuar te seguindo e te amando sempre.
    Beijos no coração.
    Evanir
    Lindo seu poema !!

    ResponderExcluir
  29. Bonita coragem de abrir a porta saindo dos sonhos de si e ir à realidade.

    Flores e uma ventania
    de bons pensamentos, rapaz.

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!