sábado, 31 de dezembro de 2011

O SOL QUE VEM DO POENTE (excerto)

O jovem, então, era dois:
Alguém que tem os pés no chão
que tem dentro de si, outrem
com os sonhos simples e puros.

O sol, por outro lado,
tem apenas um rosto,
não foge de ninguém
e sempre está exposto;
é tão peculiar
que não tem nem oposto.

São dois lutando contra um,
mas dois em constante conflito
é desvantagem na batalha,
pois não rendem nem a metade.

Para vencer a luta,
primeiro, o menino
precisava definir
o seu próprio destino:
ou criava raízes
ou seria peregrino.

Então percorreu com os olhos
o quarto cada vez mais claro
como quem quer se despedir
para nunca mais retornar.

O relógio não para
para ninguém pensar;
tomado por instinto,
pôs-se a caminhar
em direção à porta:
resolvera lutar.
       

sábado, 24 de dezembro de 2011

APARELHO

                        a arte
                  do mar
                  de marte
                    tem
                        morte
                    tem
                        mortos
                              e os
                               nossos
                                 ossos
                               nos
                          poços
do cemitério
                   frio
              do rio
                          que deságua
                                 nas águas
                                                      do mar
                                                      de marte
      

sábado, 17 de dezembro de 2011

ROSAS


Das roseiras, os seus espinhos
usados pra ataque e defesa,
contraste de frágil e forte;
a força de olor e beleza
que percorrem todo o caminho
como faz o vento do norte.
        

sábado, 10 de dezembro de 2011

PELA MESMA JANELA DO EDIFÍCIO


O vento corre pela sala,
o aroma da dor se exala
e um certo jovem se cala
enquanto seu poema fala.
     

sábado, 3 de dezembro de 2011

CONTRADIÇÕES COERENTES

II

Acerte seu relógio,
na hora da saudade,
abrace...
Abrace meu poema
e finja que é seu.

Aperte seu vestido,
se estiver com vontade,
amasse...
Amasse meu poema
e finja que esqueceu.