sábado, 12 de novembro de 2011

LYGIA

Meus olhos pedem um abrigo
e já sei quem é a pessoa certa,
sei quem pode me acolher;
correrei em busca desse amigo
que vai me ajudar a viver.

Correrei mais rápido que o ar,
pois sei como o caminho é longo;
haverá obstáculos na estrada,
porém, nada vai me parar,
pois eu não vou parar por nada.

Eu seguirei o ritmo do vento,
nada poderá me prender,
só um acidente na avenida
que por um pequeno momento
paralisou a fonte da vida.

Quando tudo ganhou sentido
eu perdi o que mais importava;
parece-me que estou incompleta,
o meu coração está perdido,
assemelhando-se ao de um poeta.

Não sei como gira essa Terra,
só sei que não gira em harmonia;
acho que a injustiça é o motor,
pois no meio de toda essa guerra
um carro me tirou o meu amor.

O dia foi dezoito de julho,
deveria ser mais um dia calmo,
mas, foi um dia de muita agitação;
talvez foi por um mero orgulho
que não atendi aquela ligação.

Amei incomensuravelmente
o cidadão mais cheio de vida;
como se fosse planejado,
morreu do nada, de repente,
em um carro desgovernado.

Em meio a tanto medo e tristeza,
eu reúno todas as minhas forças
e mantenho a cabeça erguida;
pois eu tenho a plena certeza
que vale muito mais a vida.

Hoje guardarei na lembrança
nossos momentos mais felizes;
espero algum dia te encontrar
para bailar a última dança
que espero nunca terminar.

Todo o meu amor está em você,
mas hoje você não se encontra;
sinto você como uma brisa
que sempre insiste em percorrer
o meu coração de poetisa.
  

25 comentários:

  1. Lygia encontra-se no e-book Vênus, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. UAU

    Maravilhoso, lindíssimo poema, mesmo belo!

    Adorei

    ResponderExcluir
  3. Se nem assim ela te encontra.....:)

    Muito bem escrito!!!

    ResponderExcluir
  4. Dos encontros e desencontros dos caminhos que percorremos. Do que deixamos e nos impregna.

    Belo poema, meu caro.

    abraço.

    ResponderExcluir
  5. diria o poeta que a vida é arte do encontro, mas...


    abraço

    ResponderExcluir
  6. Belo, porém triste...:(

    Parabéns por ter conseguido ser o 11 lá no blog!
    :)

    Abraços, e um ótimo feriadão

    Cid@

    ResponderExcluir
  7. Incrível!

    Não consigo pensar numa melhor forma de definir.

    ResponderExcluir
  8. O amor é triste, e às vezes a gente morre mesmo ainda estando vivo. Mas se vale muito mais a vida, espero que Lygia tenha encontrado esse amigo. :)

    beijo, fred!

    ResponderExcluir
  9. Ah, que lindo, Caju...
    E obrigada pelo comentário no Pássaros. É tão bom receber um comentário seu..

    Um xero. (Aguardo com paciência o Guirlanda. Não se preocupe, tá? Beijos)

    ResponderExcluir
  10. Grave. De ler e franzir a testa, a pensar em tantos dos meus desencontros!
    Beijos,

    ResponderExcluir
  11. Muito lindo! Sempre fico encantada quando entro no seu cantinho, parabéns.

    ResponderExcluir
  12. espero algum dia te encontrar
    para bailar a última dança
    que espero nunca terminar.

    Que lindo!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Piaf de fundo ficaria mais lindo e doloroso!

    ResponderExcluir
  14. Coração de poetisa sofre
    pois ama,
    e não espera nada mais além.


    Pobre poetisa!

    ResponderExcluir
  15. É a vida, com a sua mania de promover desencontros...

    ResponderExcluir
  16. Belezura de poema ein!!!
    ah adorei a foto

    ResponderExcluir
  17. Adorei a tragédia suave desse poema!! Bjoo Cajuu

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!