sábado, 2 de julho de 2011

PELA JANELA DO EDIFÍCIO

Pela janela do edifício,
um certo jovem sonha,
como se estivesse ébrio
ou chapado de maconha.
Pela janela do edifício,
o verde brota do chão
na figura de uma árvore
cercada de pó e poluição.
Pela janela do edifício,
onde só se via o cinzento,
agora, uma imensa árvore
tem suas folhas ao vento.
Pela janela do edifício,
a árvore vê o sonhador,
o jovem também a observa
com certo receio e dor.
Pela janela do edifício,
um pressentimento ruim,
o jovem sonhador lembra
que não regou seu jardim.
Pela janela do edifício,
a árvore com o vento,
um jardim sem a água,
o jovem sem sentimento.
    

28 comentários:

  1. Pela janela do edifício encontra-se no e-book Jardim da Ausência, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Fantástico! É como se eu fosse esse jovem...

    ResponderExcluir
  3. Pela janela, um mundo de possibilidades,

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  4. Pela janela virtual um poema
    abraço

    ResponderExcluir
  5. "pela tela, pela janela eu vejo tudo enquadrado",

    abraço

    ResponderExcluir
  6. Rapaz, pelo jeito não sou eu apenas a ficar imaginando coisas ao olhar para baixo da janela de um edifício alto, alto...

    Abração!

    ResponderExcluir
  7. Fred, fiquei com a esperança de que as árvores também me vejam e me sintam. Preciso entender o que andam a gritar...
    Beijos,

    ResponderExcluir
  8. Você e sua poeisa cotidiana, eu gosto!

    ResponderExcluir
  9. às vezes tão perto e tão longe...

    ResponderExcluir
  10. "Pela janela do edifício..."
    Me soa tão pessoal, tão meu.
    Tenho uma amizade secreta com a minha janela, dela as coisas parecem se tornar mais interessantes.

    ResponderExcluir
  11. vi-a-jei!

    detalhe: moro no último andar de um edifício.

    abração, caju dos bons!

    ResponderExcluir
  12. Um voo onírico janela abaixo. E um fecho tristemente seco.

    muito bom, Caju!

    abraço!

    ResponderExcluir
  13. Tem muita gente secando seus galhos por aí.

    ResponderExcluir
  14. Perfeito...
    Tão vívido que dá para sentir, ver e tocar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Pela janela do edíficio tanta coisa acontece.
    Seus olhos de poeta captaram alguns momentos..

    bj

    ResponderExcluir
  16. Pela janela do edifício
    Sinto o quanto é difícil
    Passar por aqui e não ler seu oficio

    Algo a exercitar
    Algo a inusitar
    Bela maneira de se exemplificar.

    Adorei!!!! bjssss

    Catita

    ResponderExcluir
  17. Imaginei mil cenas e pude entender de muitas formas este texto. E eu adorei isso!!! :)

    ResponderExcluir
  18. pela janela do mundo vejo inúmeros jovens igual a este!

    :)

    Bjos
    Adorei!!!

    ResponderExcluir
  19. Pela janela do edifício escorre uma lágrima de meus olhos que temem que os personagens sejam verdadeiros.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  20. Olá, Fred!!!!
    Saio encantada a cada vez que venho aqui buscar inspiração com cheiro de caju!!
    Poesia perfeita!!!

    Bjo!

    ResponderExcluir
  21. Lindo poema.

    Tudo nele dialoga, tudo fala, tudo combina com o ser.
    Estar sem sentimento, é não regar o jardim.

    Beijos.

    p.s: a ilustração é minha sim ^^

    ResponderExcluir
  22. Saudades...

    Ler-te é muito bom ;)

    Quase um ZELAdor!...

    Beijos =)

    Nadine Granad
    http://nadinegranad.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  23. Bonitas poesías. Bonito espacio, muy original. Un gusto seguirte.Te envío un fraternal saludo amigo.

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!