sábado, 16 de julho de 2011

A CARTA

Ô, minha nêga, aquela carta
não me deu pr’eu escrevê...
Né culpa minha não, viu moça?!
Mas prometo que vô te fazê
um bem lindona, pra roubá
teu coração quando tu fô lê.

Vô te explicá o qué que teve:
o doutô me chamô de jumento
dizeno que tava tudo errado,
faltava as vírgula e os acento.
Então, joguei a carta na janela,
quem deu cabo dela foi o vento.

O doutô é um homi inteligente,
mas vou te contá um segredo:
eu num entendo é porra nenhuma,
acho que ele fala é grego.
Se ser sabido é falá assim,
deixa pra lá que eu tenho medo.

O doutô me chamô foi de burro
mas eu nunca que comi capim.
Ele disse que tava errado
“te amo” que fiz num bilhetim
pra te dá, mas errado tá ele,
que eu te amo muito, sim.

Até queria tê os livro dele,
mas só tenho a Bíblia pra lê,
mas as letra é tão miudinha
que dá dô de cabeça só de vê.
Eu num tenho grana pra livro,
então, o qué que posso fazê?

Qué sabê?! Nem carta, nem nada!
Eu vô é pr’aí te vê, morena!
Vô enfrentá essa distância toda
que sei que por tu vale a pena
e vô te dá um abraço forte
e te enchê de bêjo de cinema!
   

49 comentários:

  1. A carta encontra-se no e-book Pentágono, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo.
    O sujeito poético encontrou uma solução incrível que nem mesmo o 'doutô' sabichão foi capaz de encontrar.

    Belo texto, Fred.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  4. Mas que matutin arretado da gota!!
    Realmente, o amor não mede fronteiras.

    ResponderExcluir
  5. Êê.. Carta boa de se lê, moço!!!

    Melhor ainda deve ser os beijos de cinema receber...

    Lindo demais, Caju!!!

    Um cheiro

    ResponderExcluir
  6. Sua carta de roça é um amor Fred, que importa a gramática quando o que se tem no coração é muito mais lindo. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Só pelos beijos de cinema, já valeu a viagem toda,


    Um beijo

    ResponderExcluir
  8. Eita que o amor é sempre lindo! :)

    Na verdade, a linguagem do amor é universal, e não necessita de pontos nem de vírgulas para se fazer entender. Podemos dizer apenas com o olhar.

    AMEI a cartinha, me lembrou minha infância no interior de Minas...rssss

    Gostei muito do que você disse lá no blog, a respeito da filtragem...
    Que você consiga êxito, é o que lhe desejo de coração!

    Tenha um feliz e iluminado final de semana.

    Grande abraço,

    Cid@

    ResponderExcluir
  9. Então nada de tinta e pena, de perto é que vale à pena!

    ResponderExcluir
  10. 'Beijo de cinema' dá muito caju pra cajuína, visse! Bom, poeta!

    ResponderExcluir
  11. Rs. Ótimo. Pois não é? Pra que carta? E, pensando bem, pra que poema de amor?

    Abração!

    ResponderExcluir
  12. Maravilha, Fred! A melhor linguagem é a que se entende. E se sente...

    abração!

    ResponderExcluir
  13. Gostei, difícil um poema assim me agradar, mas você o fez com grande maestria!

    ResponderExcluir
  14. O tom regional dá um toque agridoce a sua poesia singela...lindo post.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Muito legal, Fred!
    Eu curto as poesias nesse estilo.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  16. Camarada Fred, essa moleza na língua,
    essa languidez lúbrica na voz,
    eis um poema arretado!

    forte abraço.

    ResponderExcluir
  17. Sim, enfrentar distâncias é melhor que cartas!
    Tenho que confessar, que abraços fortes e beijos de cimenas são bem melhores.
    ;D

    ResponderExcluir
  18. Nossa, que morena sortuda, quem quer saber de carta, tem é que ir lá mesmo!
    :-)) adorei!

    ResponderExcluir
  19. "e o douto nao entende mesmo"

    abraços

    ResponderExcluir
  20. Amoroso,um abraço fino, irmão de fé.

    ResponderExcluir
  21. Fui lendo a primeira estrofe e quando vi já tinha acabado. Que poema bom! Adorei demais da conta! Acho que quem saiu ganhando foi a morena. Bjs

    ResponderExcluir
  22. Posso falar? Adorei!
    É o tipo de poema que moradores da lua adoram. Não é à toa que são lunáticos.

    ResponderExcluir
  23. entra em contato comigo. entrevista sua na rádio folha
    fernando.farias7@hotmail.com.
    me adiciona no msn

    ResponderExcluir
  24. Fred!!
    Ainda bem que o amor não tem olhos para ler, nem ouvidos para escutar, nem dedos para escrever.
    O amor não vê defeitos, por si, corrige, desenha, toma forma... amor se sente e pronto! Sem ponto, nem virgulas... talvez reticências... grandes exclamações.... acho que onde há os "acentos", deveria ser "assentos"... afinal o Amor é a nossa base... onde podemosnos apoiar, é enfim um lugar, para nos ocupar (Coração, Alma, Braços e Abraços)

    ResponderExcluir
  25. quem te ve, quem te viu... sei que vc nao escreve mais assim, mas sempre bate uma saudade desse tempo.

    ResponderExcluir
  26. ei! entrevista é? que chique!

    ResponderExcluir
  27. É só olhar nos olhos...!! Carta prá que, não é mesmo...?!Rs

    Beijos,

    ResponderExcluir
  28. detonou meu velho, muito bom mesmo =]

    ResponderExcluir
  29. Lembrou Patativa do Assaré.

    Eita carta arretada de boa!

    Beijos aCAJUízados.

    ResponderExcluir
  30. Hahaha, e aí, o que achou? Risos

    Logo mais volto!
    Beijos querido Caju ;)

    ResponderExcluir
  31. Poeta maravilhoso que posso dizer mais? La dolce vita..... ou cinema paradiso.....resume em uma coisa embriagado pela leitura da tua poesia.

    ResponderExcluir
  32. Tão simples quanto profunda
    nem precisa ser lida
    tão encantadora escrita

    Beijo

    ResponderExcluir
  33. Belíssima história, belíssimas palavras. Encantador e divertidíssimo também. Beijos, meu querido. Escreva sempre para me alegrar sempre! Au revoir.

    ResponderExcluir
  34. Adorei o jeito matuto e desinibido do personagem que você caracterizou no seu texto. E a lição de moral: que se danem as letras e as normas gramaticais. O que importa é o amor, e pronto! Haha. Estou seguindo, ok?
    Um beijo, Maria Beatriz
    http://biacentrismo.blogspot.com - @biacentrismo

    ResponderExcluir
  35. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  36. Que lindeza Fred!

    Vou até escrever no meu caderno de palavras, gostei bastante *.*

    Beijos!

    ResponderExcluir
  37. Ô meu nego, a cada vez q venho aqui saio mais encantada!!!!
    Lindo, lindo, lindo!!!!
    Bjinhos!!!

    ResponderExcluir
  38. Oiê, quanto tempo! Saudade... Como vc tá?
    Eu sumi pq estava sem pc, mas só vou voltar mesmo a ativa depois do dia 7, pq tô estudando pacas pra um concurso.
    Vim aqui agradecer pelo carinho mesmo na minha ausência e desejar um feliz dia da amizade.
    Beijos no coração e até breve.

    ResponderExcluir
  39. Nossa esse doutô de sabichão não tem nada, não sabe ele que acabara de receber uma grande lição, porque o que interessa mesmo é transmitir os sentimentos e não existe forma certa ou errada para isso...

    Obs.:Atrasei-me desta vez, mas já havia debatido seu post com a minha amiga Maria Liu, e pensei que seria impossível isso, mas a cada vez me surpreendo mais com a maneira que escreves...

    ResponderExcluir
  40. Que coisa linda FRED! DE todas as poemas e poesias e sitações foi desta q GOSTEI MAIS *-*
    Tu é Gênio, tá ligado?

    'Qué sabê?! Nem carta, nem nada!
    Eu vô é pr’aí te vê, morena!
    Vô enfrentá essa distância toda
    que sei que por tu vale a pena
    e vô te dá um abraço forte
    e te enchê de bêjo de cinema!'

    Que se dane a ortografia e toda essas frescuras! Só expressar o que sentimos sempre!
    LINDO!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!