sábado, 18 de junho de 2011

DEVERIAS TER ME PEDIDO...

Se você quisesse
ter algo de mim,
então, que dissesse:
é simples assim.

Deverias ter me pedido,
eu daria meu coração;
deverias ter me prendido,

eu ficaria na prisão,
e não terias me perdido
em uma amarga ilusão.

Mas, se, por acaso,
você me quiser,
eu não farei caso
em ser sua mulher.
    

23 comentários:

  1. Deverias ter me pedido... encontra-se no e-book Lâmina de 3 Gumes, em breve, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Fred, meu querido,

    A simplicidade é tão bem resolvida, não?
    Bj grande e uma semana bem bacana, até

    ResponderExcluir
  3. Fred, meu querido
    A transparência é fundamental, em qualquer aspecto da vida.
    Lindos demais os seus versos...
    Demais!
    Tenha um lindo sábado!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. O simples tantas vezes é o mais complexo. De tão fácil, assusta!
    Sempre bem vindos versos de sábado: hoje cheguei no sábado mesmo! :-)
    Beijos,

    ResponderExcluir
  5. Ah os sábados e os escritos do poeta...
    o homem da palavra ácida, do humor velado, sutil; a espada e a fundura do corte, isso tudo descrevendo hoje uma outra curva...
    fui junto, na possibilidade de um amor, de sensações paradoxalmente descritas, de idas e vindas que não se cruzam, de sentimentos que implodem de tantos "nãos", e se deixam a um eterno pensar "se", "como seria".

    Vou nisso também de perceber muito, para flexionar o plural do sábado, do poeta, da palavra; sem tempo, mas de olhos nas coisas.

    Abraço.
    Ricardo

    ResponderExcluir
  6. as mulheres dão mesmo... às vezes sem que peçam!Gostei do 'eu-feminismo'!

    Bjos!

    ResponderExcluir
  7. Gosto de te ler...
    Meus sábados transbordam poesia por causa de ti.
    Parabéns pelo dom das palavras.

    PS:Quando li esse seu poema, lembrei da música: "Se acaso me quiseres, sou dessas mulheres que só dizem 'sim'..."

    um beijo cacheado.

    ResponderExcluir
  8. Eu geralmente não faço caso. Mas, às vezes, um ou outro dia, dá-se assim:

    "E é por isso que eu saio pra rua
    Sem saber pra quê
    Na esperança talvez de que o acaso
    Por mero descaso
    Me leve a você"

    ResponderExcluir
  9. Muito "ses"....O amor não se pede. Dá-se:)


    Como poesia : muito bom. Como já me habituaste.)

    ResponderExcluir
  10. "deverias ter pedido tanta coisa..." mas de imediato somente seu amor é o que peço, é o que pede esse humilde coração...


    beijossss

    ResponderExcluir
  11. Lendo agora, até que nem parece ser tão difícil assim. Vai ver é a gente que complica!

    ResponderExcluir
  12. Olá Fred, estavas sumido.
    Adorei o post.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Ai, que lindo Fred, quando a causa já parecia perdida, surge uma luz, uma observação, que salva tudo, salva o coração.

    ResponderExcluir
  14. Só bastava um pedido?
    Tão simples...
    E a gente com essa mania de complicar tudo :/

    ResponderExcluir
  15. Gosto assim! Sem muito "disse que me disse"... :)

    ResponderExcluir
  16. OS maiores problemas da vida seriam resolvidos se soubessemos pedir, mas é tão dificil para o ego.

    ResponderExcluir
  17. Oi, tudo bem com você?
    Como eu havia dito antes, estou afastado do Blogosfera por vários motivos, inclusive por conta do site “ABORDAGENS & IMPRESSÕES”/ http://abordagenseimpressoes.com/ que eu acabo de criar e publicar na Internet.
    Gostaria de contar também com você por lá, acompanhe-o e também interaja comigo por lá.
    Como todos nós sabemos, site tem uma dinâmica diferente do blog, é mais consultivo e informativo. É de maior abrangência, já que se pode explorar muito mais. O blog é mais direto e normalmente de temática única.
    Me visite por lá e me siga. Vou gostar e ficar extremamente feliz e agradecido por mais esse voto de confiança.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Que delicia heim Fred.. simples assim! ;)

    ResponderExcluir
  19. Pedir, perder, prender.

    Há uma linha tênue - além da semelhança gráfica.

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!