sábado, 11 de junho de 2011

ALERTA

As sirenes gritam alto,
o que será? Um assalto?
O sangue pelo asfalto
deve ser um bom arauto.
   

27 comentários:

  1. Alerta encontra-se no e-book Consumo Imediato, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Show, Fred!
    Show!
    Quatro versos e um significado infinito...
    Abraço, querido!

    ResponderExcluir
  3. Tão pequeno, e ainda assim diz tanto. Ecoa...


    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Fred,

    Fico pensando: Será que sem os gritos, o sangue passaria despercebido?

    Beijos e cheiros...

    ResponderExcluir
  5. Cenas do cotidiano.A vida é mesmo um pa! Já passou! E a próxima vítima bem pode ser eu e/ou vc.

    Belo poema grande Caju

    ResponderExcluir
  6. esses passeios que vc faz pelo corriqueiro faz tua poesia única!

    ResponderExcluir
  7. o sangue pulula o asfalto quente,


    abraço

    ResponderExcluir
  8. Sangue pelo asfalto...E de assalto, o resto do fim...

    ResponderExcluir
  9. Então, como você me dóí de vez em quando...

    ResponderExcluir
  10. Caju querido, essa voz do poeta faz eco de quatro cantos.
    Pra vc...
    Alguém cantando longe, longe
    Alguém cantando muito
    Alguém cantando bem
    Alguém cantando é bom de se ouvir

    A voz do coração!
    Bj e linda semana, até

    ResponderExcluir
  11. a trombeta do arauto
    é mesmo o sangue derramado
    ...


    forte abraço,
    camarada.

    ResponderExcluir
  12. Gosto de histórias que acabam bem:)

    Mentira minha, Não gosto. Mas gostei da tua poesia. Curta mas profunda. Além de bem humorada:)

    ResponderExcluir
  13. O mais antigo dos arautos. Mas os anúncios atualmente são tantos que ele já passa por assimilado, talvez como se fosse cenográfico.

    Abração!

    ResponderExcluir
  14. Logo, vira manchete de jornal...
    Belos versos, trágica cena.

    Um abraço, Fred.

    ResponderExcluir
  15. Deve mesmo... Muito legal, Fred!
    Abraço

    ResponderExcluir
  16. apenas o minimo em materia de maximo (Leminski).

    epigrafe certa!

    ResponderExcluir
  17. Vermelho quente... E estava pensando nessa coisa de falta de par no mundo, que leio já sem querer no seu perfil, quando venho. Não sei...acho que éste é um mundo de pares desencontrados talvez.
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. E da janela do prédio em frente
    Alguém com uma taça de vinho tinto
    Apenas observa.


    Abraços.

    ResponderExcluir
  19. Que cheiro de sangue de motoqueiro borbulhando na Agamenon Magalhães!

    ResponderExcluir
  20. beleza de poema, a realidade pura em 4 versos.

    ResponderExcluir
  21. A cena é forte.. Mas, os versos são suaves..

    ResponderExcluir
  22. Olá, Fred! Que bom que gostou do meu blog!
    Enquanto eu lia esse poema, pude ver a cena! Realidade puríssima! Palavras fortes, mas um belo poema!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!