sábado, 28 de maio de 2011

O CHORO DA CHUVA

Se hoje chove,
é porque você se foi...
Culpo a sua ausência
por essa tempestade...
Permanece chovendo:
você não voltará...

O sol brilhando
não é o seu retorno...
Apenas, por um momento,
esqueci que você se foi...

Em cada lembrança,
uma chuva fina cai no jardim...
Em cada tempestade,
é você no meu pensamento...
Entre sol e chuva,
você se vai, se vai, se vai...
    

28 comentários:

  1. O choro da chuva encontra-se no e-book Contradições Coerentes, disponível para download aqui mesmo no blog. Há também um vídeo do poema no CAJUTUBE, vídeo este, também dísponível em Poetas de Marte (16/01/2011).

    ResponderExcluir
  2. O sol sempre aparece e aparece sempre junto com o esquecimento constante!

    ps: pois é, tulipa por lá tbm...uma alusão a cor de esmalte

    Bjos!

    ResponderExcluir
  3. Flui como música! Leve, simples e muito belo.

    ResponderExcluir
  4. Lindo poema...e como chove hoje aqui em Portugal!
    beijinho
    Sandra Subtil(sentidos)

    ResponderExcluir
  5. Mas, por vezes, se chora por dentro quando um Outro chega, porque é preciso umidade pra terra se fazer fértil, né não, poeta?

    ResponderExcluir
  6. mais um lindo poema na tarde fria de São Paulo, em boa hora..

    ResponderExcluir
  7. Lágrimas são choros e o sol despedida...
    o que o verão acharia desse poema?
    um monte de chuva de verão pra esse encanto de escrita!
    Abraços e aplausos

    ResponderExcluir
  8. Caju de Fred querido!

    Entre sol e chuva, uma respiração de amor e saudade.
    Super fã desse cajueiro!
    bjão e boa semana, até

    ResponderExcluir
  9. Certas "coisas" teimam em nos deixar!

    ResponderExcluir
  10. o choro da chuva lava a alma em líquida poesia,


    abraço

    ResponderExcluir
  11. Suave, sutil, profundo e sensato!

    Passei pra conhecer e gostei do seu poema! Dá até vontade de escrever também, sobre a chuva...
    sobre quem se foi... sobre quem não vai voltar...

    bjs

    Catita

    ResponderExcluir
  12. Conheci você la no blog do Nielson mesmo... é um prazer! Gostei dos seus escritos...

    ResponderExcluir
  13. A chuva personifica a tristeza e o choro, mas ao mesmo tempo pode simbolizar a água que lava a alma antes de se abrir de novo o sol.

    Belo poema, meu amigo!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. indefinidamente vai e fica.
    muito.
    aqui dentro!


    bjsmeus

    ResponderExcluir
  15. como eu adoro a chuva... ela lava a alma, e todas as coisas que estão sujas, lava aquela dor no peito que bate quando alguém se vai, e lava aquela noite fria de solidão...
    Chuva nada se compara, tudo se recria e renova

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Lindo...
    Nem sempre o sol nos trará de volta o que perdemos, pode ser que traga uma nova luz sobre o que aconteceu..

    ResponderExcluir
  17. Às vezes o choro do coração tem mais brilho que o sol, tem mais melodia que a sinfonia, tem mais pureza que o riso de uma criança. Lindo o seu poema, e cheio de ternura.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  18. Que a chuva, as lágrimas e mais um sol te devolva a alegria...as despedidas são sempre efemeras...Beijos

    ResponderExcluir
  19. Obrigado , também gostei muito daqui , tanto que segui.
    Volte sempre , beijos :*

    ResponderExcluir
  20. Lindo... me fez ter boas recordações.

    ResponderExcluir
  21. aqui dentro é sempre chuva
    quase mofo.

    ResponderExcluir
  22. Quando algo vai e não volta, dói.

    Gostei, obrigado pela visita. *-*

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!