sábado, 2 de abril de 2011

DONZELA EM PERIGO

 Sempre
Compre
Comprove
      E prove

   Em suma
     Assuma
  Consuma
       E suma
    

36 comentários:

  1. Donzela em perigo encontra-se no e-book Um Título Pouco Importa, disponível para download aqui mesmo no blog. O poema também aparece no vídeo Seduções Capitalistas.

    ResponderExcluir
  2. sexta feira, chuvosa eis a beleza poema, agora sumo, consumido, e vou me punir.......
    abraço poeta

    ResponderExcluir
  3. Perfeito, meu querido Fred!
    É exatamente assim o "vapt-vupt" do consumismo...
    Retrato perfeito!
    Grande abraço, amigo!

    ResponderExcluir
  4. sua lira não é descartável.

    beijo, caju dos bons!

    ResponderExcluir
  5. "E aquelea donzela
    Matreira
    E danada
    Adorava a brincadeira
    Mas só permitia
    Na retaguarda".

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Ei, Fred...

    Esse é daqueles que a gente diz: '... e ponto final!'
    O efeito é imediato, querido!

    Muito massa!!!
    Beijos...

    ResponderExcluir
  7. Por que hoje é sábado...ei-lo aí, sempre afiado. Lembrei e estou aqui!
    Assumo e sumo...
    Beijos, Fred!

    ResponderExcluir
  8. Pois bem, não vou sumir!
    Estou seguindo e logo vou também olhar teu histórico.
    Obrigada pela gentileza e pela visita.
    Abraço

    ResponderExcluir
  9. Breve e completo.
    Parabéns pelo texto.
    A repetição da palavra "suma" em todos os versos da segunda estrofe dá uma ideia muito boa da rapidez do ato de consumo, e como isso tem ocorrido freneticamente nos últimos tempos.

    A imagem da capa do seu livro "Consumo imediato" ilustra isso muito bem: o pac man correndo para devorar todas as bolinhas antes que os fantasmas o devore.

    Adorei seu blog, e obrigada pela visita.

    ResponderExcluir
  10. Sempre consumo. Assumo. Ainda bem que por aqui, consumir supre o insumo!

    p.s: agora que reparei no arranjo do teu nome!! Genial!

    ResponderExcluir
  11. (e ao sumir o único rastro seja o batimento
    do próprio peito}

    massa,
    meu camarada.

    forte abraço.

    ResponderExcluir
  12. sumido. vc.
    beijos e saudades

    ResponderExcluir
  13. Oi, Fred!

    Puxa vida! Que delícia de poema! Um jogo de palavras maravilhoso que vc criou aqui... e com que efeito!!! AMEI!

    Beijos meus... :)

    ResponderExcluir
  14. O perigo dos nossos tempos! Dá-lhe Caju! ;)

    Beijo,
    Ane

    ResponderExcluir
  15. a arte de ser sucinto e genial.

    ResponderExcluir
  16. Perigo que anda rondando donzelas e cavalheiros...rsrs...

    ResponderExcluir
  17. Caju de Fred,

    Consumo e sumo! Mas volto no próximo sábado que é teu.
    Bjocas e fds bem bacana

    ResponderExcluir
  18. A Cred Card não vao gostar desse poema hahahahahahahahahahaha

    ResponderExcluir
  19. olho nesse poeta gente, um dia eu vou ficar famoso por que ele vai falar de mim

    ResponderExcluir
  20. Fred, Fred

    Fiquei com pena da "donzela".


    Abraço-te

    ResponderExcluir
  21. Sábado! Dia de visitar o Caju, sempre! Mto legal...bjão!

    ResponderExcluir
  22. E eu, no século passado, ainda fico com palavra dada e compromissos de honra. Só não gosto dos espartilhos...

    ResponderExcluir
  23. Oi, Fred!

    Obrigada pela visita lá no hai-kai jeitinho brasileiro!

    Gostei daqui e da sua forma de escrever também!

    Um abraço,

    Neli

    ResponderExcluir
  24. como sempre... maravilhoso!
    ;D
    Boa semana.

    ResponderExcluir
  25. A Arte mesmo de ser sucinto e genial!

    Adorei o conteúdo que traz esse poema, e o jogo de palavras.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  26. Gostei da parte do sumiço não! Ham!

    ResponderExcluir
  27. As donzelas sempre estão em perigo...

    beijos

    ResponderExcluir
  28. Olá amigo...obrigado por sua presença lá no Verseiro...
    Parabéns pelo blog e pelos poemas
    Um abraço na alma
    Boa semana pra ti

    ResponderExcluir
  29. olho de rapidez cortando consumindo o instante,
    glorioso seu poema!!!!!!!!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!