sábado, 9 de abril de 2011

DONA MARIA

Nem lembro que foi tão distante,
o mundo gira muito rápido;
antes da minha despedida
eu recordo em um breve instante
o mais marcante em minha vida.

A minha memória ainda insiste
em voltar para a minha infância
onde vi a minha mãe espancada;
ah, como era tudo tão triste
ver aquilo sempre calada.

O tempo foi passando lento
— bem diferente desses dias —
e eu crescendo com muito medo;
conviver com o sofrimento
foi uma lição que aprendi cedo.

No meu momento de casar
acredito que estava cega;
a vida quis brincar comigo,
eu não poderia imaginar
reviver o mesmo castigo.

Aquilo não era um casamento,
eu não conhecia a liberdade;
a minha sina se repetia:
eu tive o mesmo tormento
que a minha mãe tanto conhecia.

Porém, comigo foi diferente:
eu dei um basta nessa situação;
resolvi parar de sofrer
e decidi seguir em frente,
pois eu precisava viver.

Eu tive medo e foi difícil,
mas com muita dificuldade
eu consegui sair vitoriosa;
agora tenho um nobre ofício:
eu sou uma mulher corajosa.

Já tenho tudo o que preciso,
eu formei uma linda família,
que até pode não ser perfeita,
mas sempre me enche de sorrisos,
o que me deixa satisfeita.

Eu quero manter na memória
as histórias da minha vida;
quero mantê-las conservadas,
tristes ou boas, essas histórias
sempre merecem ser narradas.

Buscando dentro do passado
posso encontrar a minha paz,
posso chorar, mas posso rir;
com meu coração sossegado
já poderei me despedir.
   

28 comentários:

  1. Originalmente publicado em: http://eusouagrauna.blogspot.com/2011/03/dona-maria-por-fred-caju.html

    Dona Maria encontra-se no e-book Vênus, disponível para download aqui mesmo no blog

    ResponderExcluir
  2. maria-vai-com-as-outras se defender!

    beijo em ti.

    (“é de lei” ler teu parecer)

    ResponderExcluir
  3. Caju de Fred, meu amigo poetíssimo!

    Maria, Maria, uma mulher que merece viver e amar como outra qualquer do planeta.

    Um grito de basta!
    Bjs, meu querido e até, boa semana

    ResponderExcluir
  4. E quantas não há por aí? Uma geração de "Marias" guiadas por uma mesma sina, por um mesmo destino. Uma sucessão de vidas. Mulheres que nascem, crescem, casam-se, geram filhos e morrem. Simples assim. Sem nenhuma emoção, sem um pequeno sentimento, sem uma alegria. Estas mulheres não sonham, não conhecem a esperança, não possuem um ideal...
    Dedicam-se à suas vasouras, seus tanques de lavar roupa, à seus maridos e filhos.
    Passam pela vida como pequenos fantoches, manipuladas pelo grupo social do qual fazem parte. Perdem a capacidade de sonhar, de acreditar, de existir...

    ResponderExcluir
  5. Há tantas Marias por aí...que bom que esta teve a coragem de dizer basta!
    Há outras que se deixam dominar pelo medo e desistem de viver...apenas existem.
    Um beijo e obrigada pela visita no meu Sentidos.

    ResponderExcluir
  6. Marias santas
    Marias putas
    Marias de todas as permutas.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Marias e poesias de um cotidiano. Gostei muito de conhecer seu blog. Sempre bem descobrir mais um canto para uma boa leitura.

    abraço!

    ResponderExcluir
  8. Gosto dela em todos os lugares. Tem certeza que o sobrenome dela não é borboleta?

    PS. Ai, ai, ai, aquele do FB, onde está?

    ResponderExcluir
  9. Simplesmente maravilhosos estes seus versos, meu querido Fred!
    Profundos, emocionantes...
    Quantas Marias têm sua história representada no seu lindo poema!
    Bravo!
    Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  10. Gostei de passar por aqui! Estou seguindo. Volto.

    ResponderExcluir
  11. Que as Marias possam ter coragem de dizer não, força quando disserem sim e garra para mudar de vida.

    ResponderExcluir
  12. Eita vida Maria...E era uma vez uma Maria que acreditou na brilhante história em que se encontrava...Um dia, ela se encontrou...

    ResponderExcluir
  13. Fosses tu mulher e não serias mais Maria.

    ResponderExcluir
  14. A história se repete com uma e outra Maria, mas, felizmente, as há corajosas. Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Fred cajú!!!
    Muito bons seus poemas!!!
    Baixei até alguns livros teus para saborear posteriormente.
    Devo confessar que muito me honrou
    a presença de um poeta profissional em minha página de ensaios...
    Estarei te acompanhando.
    Um beijo grandão.

    ResponderExcluir
  16. Oi Fred ! Valeu pela visita no meu blog. Além de agradecer estou aqui para "ler vc".

    Sua poesia inevitavemente remete-me a tragédia que nos assaltou a semana passada com aquelas meninas e meninos. Tiraram deles a chance de escrever uma história de Marias e Joãos ou coisa assim. Estamos tirando deles esse direito.

    Volto e prometo que volto com a alma mais leve!

    beijos

    ResponderExcluir
  17. Maria que não foi com as outras.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  18. Boa noite!
    Passando para visitar uma tal Maria.
    Parabéns!
    Carla

    ResponderExcluir
  19. Dona Maria, mulher forte e vivida...
    Muito linda poesia... reflexiva e bem harmonica.
    Parabens

    ResponderExcluir
  20. Tantas e tantas padecendo dessa sina...
    Estou retribuindo a visita e adorei o blog. Estou seguindo.

    ResponderExcluir
  21. esse eu não conhecia. muito bom poeta

    ResponderExcluir
  22. As histórias sempre se repetem, mas como somos nós os autores dela, sempre podemos muda-la.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  23. a coragem está dentro de cada um de nós. ainda bem que essa acreditou na maria... maria da penha.


    bjsmeus

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!