sábado, 16 de abril de 2011

COLAR

Eu faria qualquer esforço
— como já virou costume —
para beijar teu pescoço
e sentir o teu perfume.

Seria delicado
(o teu predileto),
um amante-amado;

eu seria completo:
sempre do teu lado
com todo meu afeto.

Queria estar no teu cangote,
queria ser o teu colar,
chegar até o teu decote
ou quem sabe te enforcar.
  

34 comentários:

  1. Colar encontra-se no e-book Lâmina de 3 Gumes, em breve, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. "Quero colar em você"- valeria dizer.

    Beijos!
    Bom sábado, Fred!

    ResponderExcluir
  3. hummm, pescoço é mesmo um lugar seguro!!

    ResponderExcluir
  4. Asfixiante. Rs. Rapaz, o último verso é todo o poema, lembra aquelas viradas meio cruéis, giros surpreendentes, que o Mario Quintana fazia.

    Abração.

    ResponderExcluir
  5. ah eu também adoro pescoços, muito bonito o poema só não colou o enforcar, mas como és um poeta social - dá pra entender :)

    beijos!

    ResponderExcluir
  6. Genial. Gosta da tua ambivalência. Nota-se que sabes da vida!!

    ResponderExcluir
  7. Caju de Fred querido,

    Brilhante como diamante, como o amor.
    Bjão, super fds e até sábado

    ResponderExcluir
  8. acho que ela diria: assim não dá vc está me sufocando,


    abraço

    ResponderExcluir
  9. Lindo poema, Fred!
    Você fala muito bem de ímpetos amorosos.
    Gosto muito da palavra colar: acho-a tão sonora...
    Abraço, meu amigo muito especial, grande poeta!

    ResponderExcluir
  10. Beijar o pescoço, ser beijado no pescoço... Eta troca da porra, gente! É bom demais.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. suahsaiuhsaiusah no momento seria um colar para enforcar. Sadomasoquismo liguem - NOT usaihsauihsaiuash

    ResponderExcluir
  12. as tuas palavras conduzem...e a cada escrito teu, me convenço mais ainda disso.

    pescoços são estradas gostosas de se caminhar.

    beijo de sábado.

    ResponderExcluir
  13. Porque amar também é provocar e sentir faltar o ar!

    Beijos...

    ResponderExcluir
  14. otimo .......
    forte....
    a quem diga que o delirio do perfume no cangote é o melhor (pior)
    abraço poeta

    ResponderExcluir
  15. "...ou quem sabe te enforcar."

    parece meio exagero mas, no todo isso significa que hei de amar, tanto que podemos até enforcar mas, no sentido de amá-la..

    lindo verso me deleitei nele e me senti totalmente em casa

    beijoss

    ResponderExcluir
  16. Isso que é um trovador!

    Você joga com as palavras e a arte final é um rebento evoluído.

    Otima semana

    ResponderExcluir
  17. Degolações de amor sempre sobra ar... =P
    hauahuah
    Fred Fred... por onda anda o tempo, que não deixa a gente prosear mais??
    rsrsrsr
    =*****
    Beijos e saudades!

    ResponderExcluir
  18. tudo junto ao mesmo tempo agora... nós, mulheres, somos capazes de despertar tudo!


    rs bjsmeus

    ResponderExcluir
  19. Hahaha... adoro seu amor-humor!


    Beijos =)

    ResponderExcluir
  20. Como foi que eu perdi esse aqui? Ainda em choque, não sei se em arrepios de prazer, antecipação ou pavor. Adorei o rodopio final, as mãos ao redor do pescoço, marcando a pele em promessas de pequenas mortes. Brilhante. Pode ir pro FB, pode?

    ResponderExcluir
  21. bem que vc me disse que qd amor n o era. rsrsrrs e saudades.

    ResponderExcluir
  22. Este poema é, realmente, a coisa mais sedutora que eu lí nos últimos tempos.
    Não me canso de ler a ele.
    Reflete aquele misto de admiração e ódio presente nos amores impossibilitados de uma forma formidavelmente sutil.
    Parabéns!!!
    Pus no Porta-trecos,
    se deixar continua lá.
    http://rebeca177.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  23. eu quase tive um orgasmo lendo isso.

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!