sábado, 5 de março de 2011

PINTOR DE SAPATOS

Sonhava em ser um pintor
(não de muros, de tela),
queria colorir sua vida,
amor, pincel e aquarela.

Ele só tinha três cores:
preto, bege e chocolate;
manteve o ofício do pai:
o trabalho de engraxate.

Ele teria que ser sábio,
batalhando por sua grana
com humildade, engraxava
calçado de gente bacana.

Estava esperando a fama,
aguardava por um ensejo,
queria largar os sapatos
e realizar o seu desejo.

Ainda quer ser um pintor
quando levantar capital;
porém, o que lhe aguarda
será um anonimato total.
   

20 comentários:

  1. Originalmente publicado em: Poetas de Marte (11/01/2011)

    Pintor de sapatos encontra-se no e-book Monopólio da Solidão, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. "Seguindo vai
    Um artista de fato
    Mesmo que ainda seja
    O pintor de sapato" (Guará Matos).

    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Esse poema me toca particularmente, e por mais de um motivo.
    Entre os nossos vergonhosos desperdícios, um dos mais tristes é o de talentos. Embora o Guará tenha uma certa razão. E, pensando bem, há muito artista de direito por aí que não é artista de fato. Vá se entender.

    Abração.

    ResponderExcluir
  4. Fred, sua denúncia social encanta. Marcantonio foi completo em sua análise:na sociedade de consumo desperdício é ser artista com talento.

    Cheiro e um produtivo carnaval!

    ResponderExcluir
  5. E quantos talentos desperdiçados andam por este país como almas desgarradas, sem pai nem mãe para lhes acolher...
    Versos perfeitos, Caju! Como sempre são!

    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. O jeito é ser feliz, sem sonhos.

    Lá vai mais um azarado...

    ResponderExcluir
  7. Ah, é muito louco ver tanta gente talentosa sonhando, mas sem poder realizar o sonho... Enquanto isso...deixa pra lá! Vc já falou tudo.
    Abração,Fred

    ResponderExcluir
  8. "a vida que poderia ter sido e não foi".
    poema de doer.

    beijoca, fred!

    ResponderExcluir
  9. ...sobretudo em meio a cores fortes-ofuscantes do tempo de carnaval

    Bjos!

    ResponderExcluir
  10. Desejar não é poder... Mas, essa frase aí que eu escrevi é pequena diante da beleza de seu poema...

    Um encanto, Fred!

    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Que triste, mas lindo e real.
    Beijos e bom carna

    ResponderExcluir
  12. Caju de Fred, meu querido,

    Arte se faz por paixão, o que vier em consequência é lucro!
    Amei o post!!!!!!!!!

    Bjão

    ResponderExcluir
  13. ...

    o pintor com três belas cores e nada mais.

    aiai,

    doeu, viu?

    beijo!

    ResponderExcluir
  14. Nossa, uma perfeita descrição desta triste realidade...

    Muito tocante seus versos!

    Voltarei aqui sempre que puder ;)

    ResponderExcluir
  15. Por que toda espera será recompensada!(palavras tuas)!
    Acredito que também aqui em sua postagem isso também serve!
    Um abraço meu amigo!
    Ótima quinta!
    Ju

    ResponderExcluir
  16. Oi Fred... obrigado pelo post. O "vertical" é culpa de Eva Jofilson e Rose Lima, respectivamente cineasta e produtora do video. São duas fofurinnhas... só você vendo.

    =)

    abraço.

    ResponderExcluir
  17. Olá adorei teu blog, lindo mesmo. Parabéns. Fique a vontade para fazer uma visitinha ao nosso “Alto-falante” e seja mais um membro. Você é nosso convidado especial. http://poetarenatodouglas.blogspot.com/.
    Um grande abraço!

    Renato Douglas!

    ResponderExcluir
  18. pois é, triste realidade dos pintores

    beijos

    ResponderExcluir
  19. lembra-me música da infância

    seu pintor, o que eu queria
    é que vc pintasse um pouquinho de alegria..

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!