sábado, 1 de janeiro de 2011

O JABUTI

Lento, passo a passo, passivo.
O jabuti tem sua vida monótona e previsível:
nascer e morrer.
Durante a vida não se preocupa em mudar o seu ritmo,
já está conformado com o destino
que seus antepassados escolheram.
Poderia mudar se quisesse,
mas, permanece totalmente estático.

Nota ao leitor:
Quaisquer semelhanças, neste poema,
entre o jabuti e o homem é mera coincidência.
    

26 comentários:

  1. O jabuti encontra-se no e-book Poemas de Gaveta disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Bravo, Fred!
    Adentras o novo tempo com o pé direito!
    Bravo!
    Imenso abraço, querido amigo!
    Feliz 2011!

    ResponderExcluir
  3. e pelo andar do jabuti
    passo a passo, sem pressa
    atento, confabulando com a terra
    (e os céus) seus íntimos devaneios
    algo fica suspenso além da nossa imaginação
    ...

    Poema massa,
    meu camarada.

    Forte abraço,
    2011 de Luz!

    ResponderExcluir
  4. gosto de jabuti, eles são solenes em sua mansidão, já os homens...


    abração

    ResponderExcluir
  5. e bom começar o ano lendo tao lindo poema.....
    a poesia vai prevalecer o ano todo...

    ResponderExcluir
  6. É tão bom começar o ano assim, lendo belos poemas que tudo diz. ;D

    te deixo o 1° abraço e beijo de 2011.

    ResponderExcluir
  7. Fred, poeta Caju,

    2011 beijos pra vc, também e que sejamos como os jabutis, não na aceitação do destino, mas na dignidade de fazê-lo ser.

    Que os sábados continuem inteligentes e doces.

    ResponderExcluir
  8. se nada exige a mudança,
    continua-se assim,
    mesmo ritmo, mesmo carma
    a velha condenação a si
    -
    muito bom, (:

    ResponderExcluir
  9. O importante está em aproveitar bem entre esse intervalo de nascer e morrer.
    Feliz 2011 amigo, beijos.

    ResponderExcluir
  10. Sei que jabuti não é tartaruga,é da família,mas portanto posso me reportar a uma antiga fábula da tartaruga e a lebre,em que a tartaruga vence a corrida devido a presunção da lebre.Muitas vezes,passos lentos significa sabedoria.Nem sempre apressar o passo e desviar do caminho é estar no caminho certo.E a sabedoria ensina que independente de querer mudar ou não,existe uma pressão invisível exercida interiormente ou externamente,que sempre impulsionará o ser humano às transformações necessárias.
    Um FELIZ 2011 bem atento às mudanças!!!

    ResponderExcluir
  11. Rs... adorei a nota!
    Belo, belo!


    Bons ventos!!!
    Beijos =)

    ResponderExcluir
  12. E ainda nos dizem com um sorriso cínico que devagar se vai ao longe. Deve ser pra ganhar o tal Prêmio Jabuti... É, mas o jabuti é tão simpático, é triste ter de mexer com ele; a culpa é da tal da inércia.
    A verdade é que, não raro, me pergunto se correndo ou cagando (de cágado, claro)não vamos a tempo para o mesmo abismo! Ah, mas entendo: há todo um mundo que subsiste a nós. É a esse que devemos apressar se acaso gira em ritmo de jabuti?

    Grande abraço, Fred. Tudo de melhor pra você!

    ResponderExcluir
  13. Mas e se este destino o agrada? Conheço pessoas que sonham com uma vida previsível! rs


    Beijos acajuízados!

    ResponderExcluir
  14. Nem precisava da nota, jabuti que se preza se reconhece!

    Um beijão

    ResponderExcluir
  15. Ô Fred, tomei a liberdade de reproduzir esse seu poema lá no Azul... junto a um apontamento meu. Passei uma boa parte da manhã pensando nesse O Jabuti a partir de uma situação real, a analogia se me impôs naturalmente.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  16. POxaaa Fred , muito obrigada
    pelos votos *-*
    Já é uma honra receber uma visita sua!
    Um feliz 2011 pra vc e q venha cheios de poesias
    pra eu me peder/encontrar por aqui.
    Beijo

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Marcantonio: sempre mandando bem nos comentários!!!



    "Jabuti" me lembrou um poeta Piauaense porreta que disse assim:
    "[...]leve um homem e um boi ao matadouro. O que berrar mais na hora do perigo é o homem, nem que seja o boi." (Torquato Neto)

    ResponderExcluir
  19. APONTAMENTO NA BORDA DO DIA (40)
    vá lá no blog Azul temporário e veja a multiplicação do Jabuti por Marconantonio:


    http://azultemporario.blogspot.com/

    OBS:O poema é massa!!!

    ResponderExcluir
  20. sou encantada pelos jabutis!!
    acho fabuloso o olhar de déjà vu que eles têm.. aquela lentidão é porque, em cada passo dado, eles movimentam séculos e séculos de história da espécie =) e tem mais.. achei que foste injusto com os jabutis na comparação que (não) fizeste hahahaha

    beijoca!

    ResponderExcluir
  21. Esse eu li em 1815.

    ResponderExcluir
  22. Qual é mesmo amigo Caju, o único 'ANIMAL RACIONAL'? Ah! Me lembrei... O SER HUMANO.

    Bjoss,
    SU.

    ResponderExcluir
  23. Quero ser jabuti, se der
    Transar bastante entre agosto e novembro
    E esperar 9 meses para nascerem filhotes

    Comer apenas uma vez por dia
    e não me preocupar muito

    Quero não precisar correr
    em busca de carinho

    E ainda assim
    ser uma criatura cativante

    E o principal:
    quando me aborrecerem, me atacarem,
    me maltratarem,
    quero ter a grandeza de me recolher
    dentro de mim

    E sair quando tudo estiver resolvido.


    P.S.: Estou lançando um estilo de Kung Fu. O Kung Fu estilo Jabuti. Já viu Jabutis brigando? Urra!!! Podemos conversar, se você quiser aprender.

    P.P.S: *recado pra ti no meu blog.

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!