sábado, 27 de novembro de 2010

O SOL QUE VEM DO POENTE (excerto)

O garoto, enfim, desperta:
a luz atravessa a janela
como se ferisse seus olhos
ao renascer de mais um dia.

Não foi uma noite insone,
o tic-tac ao seu lado,
nem um galo-tenor
que lhe trouxe o recado:
pois, mesmo sem aviso,
já estava acordado.

Sem ao menos piscar os olhos,
pôs-se a contemplar o sol,
desafiando os raios solares
com a coragem de quem sonha.

O campo de batalha
apenas aguardava
a guerra desse encontro:
aquele que brilhava
contra os olhos nus
daquele que sonhava.

Nos domínios do céu de fogo,
reinava a grande estrela, o sol,
que enviava tropas de raios
ao quarto do jovem ousado.

No quarto atacado,
a sombra resistia;
perdendo mais espaço,
aos poucos se rendia
para contra-atacar
no fim do mesmo dia.
    

20 comentários:

  1. Originalmente publicado em: Cronisias (07/10/2010).

    O sol que vem do poente encontra-se no e-book homônimo, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. Fred, meu querido
    Só o título constitui um magnífico poema!
    Veja:" O sol que vem do poente"
    É demais, meu amigo querido, grande poeta!
    Abraço apertado

    ResponderExcluir
  3. Não sei pq mas durante a leitura alguns versos pra mim seu encaixaram perfeitamente numa situação do tipo: "o trabalhador do RJ acordando e buscando forças pra ir trabalhar quando se tem um caos lá fora".

    com a coragem de quem sonha.(coragem para sair de casa)

    O campo de batalha
    apenas aguardava(as ruas do RJ)

    Nos domínios do céu de fogo,
    reinava a grande estrela, o sol,
    que enviava tropas de raios
    ao quarto do jovem ousado(o BOPE invadindo as favelas e expulsando bandidos)

    a sombra resistia;
    perdendo mais espaço (os bandidos perdendo territorio)

    Enfim, viajei demais né?kkkkkkkkkkkkk acho que é por todos os sustos da semana, estou pilhadissima e tudo tô fazendo analogias com o RJ.
    Bom fim de semana, beijos.

    ResponderExcluir
  4. Li e reli o poema tentando descobrir se haviam metáforas. Então, vim para a página de comentários e a interpretação feita pela *Mi§§ §impatia* me pareceu muito interessante.

    Palmas para você, saudações para ela!


    Um abraço aos dois!

    ResponderExcluir
  5. "aquele que brilhava
    contra os olhos nus
    daquele que sonhava."

    linda poesia da vida.

    beijo.

    ResponderExcluir
  6. e se sentir medo, para se esconder ao fim do dia.


    rsrs
    bjs meus

    ResponderExcluir
  7. Gosto mais dos sábados ;)

    Muito bom ler-te!
    Batalha belamente descrita e sentida!

    Beijos =)

    ResponderExcluir
  8. "a sombra resistia;
    perdendo mais espaço,
    aos poucos se rendia
    para contra-atacar
    no fim do mesmo dia."

    e assim a vida segue seu curso...

    Lindas palavras que nos mostram a rotina bela de um dia

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. sou eu de novo te prestigiando de outro espaço
    beijoooo

    ResponderExcluir
  10. Adoro o sol..e que se põe então..perfeito!

    Ju

    ResponderExcluir
  11. a vida sendo acordada... abrindo os olhos com o sol todo dia.


    gostei da escrita...
    da sensibilidade.
    parabéns moço.

    ResponderExcluir
  12. E logo voltará, para tão logo partir após tanto aterrorizar...

    Muito bom!

    []s

    ResponderExcluir
  13. uau!
    mas é uma dança de palavras tudo isso aqui.
    palavras que brotam naturalmente sem fazer esforço.
    dom de poucos.

    obrigada.

    ResponderExcluir
  14. Cajú, meu poeta dos nordestes.

    Cá, eu do Rio, ainda indignada e triste, meio atrasada, pq hoje já é terça, msm assim, não perco meu sábado com vc.
    A natureza equilibra... luz e sombra!
    Demais!

    Bjão, meu querido e semana de paz

    ResponderExcluir
  15. Fred, querido...

    Batalha boa
    bonita
    essa da noite
    e do dia.

    Adorei!!! Sonora e imagética!

    beijinhos...

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!