sábado, 16 de outubro de 2010

DOS CACHOS DOS TEUS CABELOS

Dos cachos dos teus cabelos
ainda fico com a esperança
de algum dia poder revê-los
como no tempo de criança
que repousava em sua orelha
alguma flor dada por mim,
em geral uma rosa vermelha,
que eu retirava do jardim;
hoje, quando te dou flores
com algum poema anexo
cheio de versos de amores
é porque só penso em sexo;
teus cabelos tão cacheados
ainda continuam uma beleza
mas são teus seios decotados
que me atraem com certeza.
     

23 comentários:

  1. Originalmente publicado em: Eu Sou Também Emoção (11/08/2009).

    Dos cachos dos teus cabelos encontra-se no e-book Jardim da Ausência, disponível para download no blog.

    ResponderExcluir
  2. Muito linda, Fred, essa comparação entre as fases da vida e dos sentimentos.
    Gostei demais, meu querido!
    Você é, realmente, mestre!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  3. cada coisa a seu tempo, como os frutos e os amores



    abraço

    ResponderExcluir
  4. Eu ri. Achei bem sincero. Escrita sem máscaras. Gostei mesmo.

    Ótimo passar aqui aos sábados.

    :D

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Rs. Ad libitum a libido! A vida e suas mudanças de foco.

    Abração!

    ResponderExcluir
  6. Caju,

    Que mistura doida cê fez, lirismo, humor, sedução, coisa mais linda de ler.
    O tempo, aí que delícia, ele faz

    Bjão, meu querido poeta

    ResponderExcluir
  7. Eu realmente gosto muito desse poema! vai do sentimento pueril de menino ao sentimento puramente carnaval de homem.

    ResponderExcluir
  8. meus cabelos tem cachos, meus cachos, pendencias. enfim... nada tem a ver com nada, mas sonho... sonho... beijinhos amigos.

    ResponderExcluir
  9. Fred

    E sabe que a mudança de foco não altera em nada o prazer? Continuamos adorando o fato de alguém nos querer,em qualquer uma das situações.

    Beijos acajuízados.

    ResponderExcluir
  10. Já que somos amigos, posso dizer: ok, seios e tal; mas você está subestimando os cachos, ah, tá...

    ResponderExcluir
  11. Filosofia Kely Keyana
    Ou
    Mal de Kely Key

    E falando em mulheres vou contar agora um causo:
    lembrei-me de enxergar moça aí um pouco atrasado,
    e agora que não quero mais saber de cabelo cacheado
    a boca dela me seca como praga de aleijado.
    Por isso que tenho dito, antes de olhar para frente olhe logo para seu lado,
    Pois arrependimento matasse tava todo mundo enterrado.

    D.Everson

    ResponderExcluir
  12. seios
    que
    amadurecem
    em cachos
    Fruta
    no corpo
    que se 'entrega'.

    ResponderExcluir
  13. Adoro teus poemas!

    Tá lindo viu?

    Bjos no coração!

    ResponderExcluir
  14. Muito bom os seus poemas... me perdi em algumas postagens.

    Estou seguindo seu blog ;)

    beijos!

    ResponderExcluir
  15. Que lindo! Adoro cachos e decotes! aiai...

    ResponderExcluir
  16. a nudez sem ser vulgar, acho que esses são os melhores versos...
    adorei o poema
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Fico honrada em receber teu comentário.
    Esta poema em especial me chamou atenção, por ser a mistura perfeita de intensidade e sutileza.
    Meus parabéns, voltarei sempre.

    ResponderExcluir
  18. vestido decotado
    de fato faz o homem
    (por um breve instante)
    esquecer as flores
    do passado
    ...

    Poema sutil
    com encanto.

    Forte abraço,
    camarada.

    ResponderExcluir
  19. Mais um motivo pra n votar no puto do serra:
    ele n tem cabelo!

    ResponderExcluir
  20. Adorei, Fred...

    Sincero, pero sem perder a ternura...rsrs

    Beijinhos...

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!