sábado, 11 de setembro de 2010

HOMEM INVISÍVEL

Um homem que não habita
nenhuma memória.
Não habita em uma casa.
Não habita uma vida.
O homem invisível.
Embaixo de um viaduto,
sujo e faminto.
Mas pobre homem...
Ninguém pode ajudá-lo,
é mais um homem invisível.
  

17 comentários:

  1. Originalmente publicado em: Cronisias (19/07/2010).

    Homem invisível encontra-se no e-book Tantos Problemas, em breve disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. há tantos homens invisíveis diante dos nossos olhos,


    abraço

    ResponderExcluir
  3. Poema-denúncia.Gostei Fred.Lembrei-me de um dos meus:

    Marionetes

    Quantos em busca de carinho,
    quantos por falta de instrução,
    muitos para manter o vinho
    muitos para garantir o pão.

    Estes tantos
    e tantos outros,
    seguem assim,
    de mão em mão
    feito fantoche
    deboche
    filhos da escravidão.

    (Michele Pupo)

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Sim, são tantos que por fingir que não enchergamos se tornam invisíveis.
    Adorei!

    Abraço

    ResponderExcluir
  5. "Invisível todos aqueles que não tem o mau cheiro do Real"

    Pensei que ele tinha esquecido do blog kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  6. No mais Michele Pupo mandou muito bem também hehehee olha Fred com uma concorrência assim sei não kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Que exista muita concorrência quando o assunto for poesia!

    ResponderExcluir
  8. É.... é gente invisível demais por aí...
    acho que a gente conseguir ver e mostrar a elas que são vistas já é um bom início!

    ResponderExcluir
  9. Cada dia que eu olho, teu blog tá sempre melhor.
    As capas dos livros ficaram ótimas.

    Salve!

    ResponderExcluir
  10. homem que não habita
    em nenhuma memória
    habita um coração ou mente
    por alguns segundos

    ResponderExcluir
  11. Muito bom! Tuas críticas são excelentes! =)

    "Um delta? Uma pirâmide as avessas?" Um funil por onde escorre tudo o que poderia suprir sentimentos, como, por exemplo, o amor antigo.

    Quanto à Lawrence, qual deles? (Acho que o do post não é a mesma pessoa a quem você se referiu). Encontrei o Flickr desse cara fuçando no google e nem sabia que existiam tantos! Hehehe!

    Beijo,
    Ane

    ResponderExcluir
  12. Tão real que choca...
    Lindo seu jeito de escrever.
    Gostoso esse seu lugar.

    Bjo!
    =)

    ResponderExcluir
  13. Diante de algumas realidades, só buscando poesia, para reclamar, pra remediar, pra amargar.

    Um homem visível lembra aquela casa que ninguém pode habitar, do Vinícius de Moraes: "era uma casa, muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada, ninguém podia entrar nela não..."

    ResponderExcluir
  14. Adorei a citação de Fernando Pessoa do seu perfil. Algumas vezes não temos par nas coisas deste mundo e estamos "aqui de passagem, este mundo não é meu, este mundo não é seu."

    ResponderExcluir
  15. Ótimo jogo de palavras, essa invisibilidade insensível e cruel sempre traz em nós, que temos a sina de querer escrever, a poesia dura e sincera da realidade amarga. Esse blog é muito bom, estou lendo todos os posts. Obrigada pela passagem no meu blog, fico felicíssima que tenha gostado. Um grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  16. poxa, muito boa tuas poesias. Dá pra sentir a indignação das coisas...Massa de mais!!!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!