sábado, 25 de setembro de 2010

A DESENFREADA HEMORRAGIA DA EXISTÊNCIA

Sangra, querida Sandra,
e provas que tens vida;
mancha-me de vermelho.
Sandra, sangra querida,
lava teu sofrimento
pelo útero também,
querida Sandra, sangra
ao filho que não vem.
   

sábado, 18 de setembro de 2010

ANDAR EM PONTES

O constante olhar pra baixo,
o inevitável medo da queda.
Um único rumo no caminho,
caminho de apenas uma meta.

Caminho, aparentemente, reto,
podendo mudar-se com um pulo:
uma evasão da ponte, da vida,
uma saída, uma fuga pra tudo.

A indispensável contemplação
da paisagem vista pela ponte,
que não tem explicação sólida:
sem ter porque, nem por onde.

O andar em pontes é especial
quando na cidade do Recife,
aqui não se anda pelas pontes,
aqui se anda pelo Capibaribe.
   

sábado, 11 de setembro de 2010

HOMEM INVISÍVEL

Um homem que não habita
nenhuma memória.
Não habita em uma casa.
Não habita uma vida.
O homem invisível.
Embaixo de um viaduto,
sujo e faminto.
Mas pobre homem...
Ninguém pode ajudá-lo,
é mais um homem invisível.
  

sábado, 4 de setembro de 2010