sábado, 3 de julho de 2010

CLAYDE

Desde o início, desde pequena
algo nessas estrelas me atrai,
algo nelas me dá esperança;
mas olhá-las não vale a pena,
já não sou mais nenhuma criança.

O anoitecer é o meu sustento,
porém, também é o meu carrasco;
nele que ganho minha vida,
ele me leva como o vento,
deixando-me vazia e perdida.

Ao me perder no anoitecer
encontro a solidão dos homens
que me pagam para vencê-la,
mas eu jamais irei vencer,
ficarão sós como as estrelas.

Os homens e as estrelas são iguais:
aparentemente estão próximos,
mas tudo é apenas aparência;
distanciam-se cada vez mais
com a sua pesada consciência.

O peso dentro da cabeça
tortura-lhes durante a noite
não os deixando sequer dormir,
e por mais que o bem aconteça
eles não conseguem sorrir.

Foi por me sentir solitária
que resolvi ganhar a vida
nessa tão sofrida profissão,
a escolha foi desnecessária,
pois sempre vivi sem privação.

Muitas mulheres são obrigadas
a entrar para esse sacrilégio,
pois a pobreza prevalece
obrigando-as a dar entrada
na vida que ninguém merece.

Nós somos marginalizadas,
contudo quem explora é imune
a qualquer discriminação;
nós somos amadas e odiadas:
eis o ciclo da profissão.

Eu não sei se voltarei a amar,
eu perdi a pureza do sexo
com a sujeira do dinheiro,
quando precisava transar
com quem me chamasse primeiro.

Quanto mais vivia na profissão,
mais sentia a frieza desse mundo
fui perdendo o calor que tinha;
não existe nenhuma solidão
que seja superior a minha.
    

12 comentários:

  1. Originalmente publicado em: Cronisias (12/06/2010).

    Clayde encontra-se no e-book Vênus, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Post muito bom; retrata a realidade, e de uma maneira menos impessoal e fria, já que se é mostrado os sentimentos de quem, como qualquer outra pessoa, precisa de carinho. E de amor. Mais que prazer.Por mais que tenha prazer.Faz a gente pensar em quem não tem opções e encara uma vida cheia de riscos, vendendendo seu corpo pra sobreviver, descartando o cuidado com seus afetos, saúde e com seus projetos de vida.Esses problemas sociais estão moldando uma geração cada vez mais frágil, em todos os aspectos.
    Bom é ser criança: se preocupar só com problemas que na verdade não são tão problemas, e olhar as estrelas.
    Bom é olhar as estrelas.

    ResponderExcluir
  3. quando venho aqui e leio as poesias só me vêm à mente as aquarelas de caju de guita charifker.
    pura poesia.

    ResponderExcluir
  4. essa eu já conhecia. Rele-la n me fez gostá-la menos. Beijinhos fofos.

    ResponderExcluir
  5. Fred, a sua poesia tem consciência social sem cair na obviedade. Há imagens contundentes nesse poema.
    Gostei do projeto "Amplitude Compacta".

    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Clayde é especial! Adoro!

    =*

    ResponderExcluir
  7. Lindos escancarados versos! Como sempre, adorei!

    bjs Fred.

    ResponderExcluir
  8. Estive aqui no sábado, mas não tive tempo de comentar...

    Mais uma vez a sensibilidade do poeta fotografa alguns escuros do nosso cotidiano.
    Gosto das sombras deflagradas no verso; especialmente da luta dos contrastes, da luz real das coisas, sem retoques.

    Grande, Fred.

    Abraços.
    Ricardo

    ResponderExcluir
  9. Hoje eu vim aqui para dizer apenas uma coisa: esse blog é um sucesso, o que na verdade significa que o mundialmente desconhecido Caju não é mais tão desconhecido assim.

    ResponderExcluir
  10. Ô Fred, me fez chorar de alegria e tristeza com este poema.

    Consigo ver o eu-lírico deste poema, consigo me ver nela, e consigo vê-la em todas nós.

    Apesar de eu não gostar nenhum pouco de versos rimados, este, meu querido, este poema, estes versos, estes eu aprecio sim, e digo mais, me fez rever meus conceitos.

    e divulguei isto em meu twitter.

    beijos.

    T.

    ResponderExcluir
  11. Oi, Fred...
    pode publicar "Ponte sobre vazios" no "Cronisias".
    Aliás, isso muito me deixa feliz.

    Abraço.
    Ricardo

    ResponderExcluir
  12. Gostei daqui... MUITO!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!