sábado, 12 de junho de 2010

QUE SE FODA COM A POESIA!

Que se foda com a poesia!
Nem venha com papo-furado
de lirismo e coisa e tal.
Nem queira que esse poeta
tenha o ar de santo-mártir
com asa de anjo celestial.
Não escrevo pra ficar bem,
nem pra falar de belezas,
ou pagar uma de intelectual.
Então, foda-se a poesia!
Se quiser poemas utópicos,
poeta errado, mude o canal.
Deixe-me com o meu jardim,
ele sabe como me acolher
com o seu orvalho matinal.
    

19 comentários:

  1. Originalmente publicado em: Poetas de Marte (09/05/2010)

    Que se foda com a poesia! encontra-se no e-book Jardim da Ausência, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Quer namorar comigo? rsrsrsrrs. Beijinhos fofos.

    ResponderExcluir
  3. Então tá, já que vc aceitou meu pedido, feliz dia dos namorados, querido. Só n entendi pq eu gostaria de uma poesia que trata especificamente de prostitutas. rsrsrsrrs. Abracinhos delicados e perfumados.

    ResponderExcluir
  4. É como eu digo eu meus motivos de escrever.
    Boa Caju

    ResponderExcluir
  5. Agora que eu vi: fica só se quiser Mr. Caju heehehhe

    ResponderExcluir
  6. Boa poesia caju!! É bom que tudo se renove, inclusive os motivos pra escrever! Obrigado pelo seu comentario sobre o meu texto no "ashorasvagas" de Letícia!!
    Abços e bom conhecer teus textos!!

    ResponderExcluir
  7. Lindinho, fico muito emocionada com sua preocupação com o meu eu-lírico. Daremo-nos muito bem, pois. Ou não. Beijos doces.

    ResponderExcluir
  8. Menino, vc tem talento!
    Amei seu blog! Vou até seguir!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Jardim da Ausência!
    \o/

    ResponderExcluir
  10. Molambos Urbanos

    Menino não come
    Menino não ler,
    Não estuda, nem brinca
    E vive de quê?
    De pular carnaval
    De roubar no sinal,
    De fumar um “Basal”
    Pare pra perceber!

    Menino descalço
    De olhos fechados
    Pedindo esmolas pra mim!
    São ESFARRAPADOS do mundo
    Que vivem nas ruas
    Sem nada pra comer!

    De andar descompasso
    Com subnutrição,
    A cola no bolso
    Revólver na mão
    É matar ou morrer!

    Você que já não dorme,
    Temem os que não comem,
    TÁ COM MEDO DE QUE?
    Se há tanta polícia nas ruas pra te proteger!

    Menino descalço
    De olhos fechados
    Pedindo esmolas pra mim,
    São os ESFARRAPADOS,
    Vivem na opressão,
    Sem Direito a nada
    Se formam em ladrão.

    Beth Brito
    2009

    ResponderExcluir
  11. Pode me chamar para compor o coro. Que se foda com a poesia!
    Muito prazer, Fred!
    Posso passar por aqui de vez em quando pra te ler?

    bjs

    ResponderExcluir
  12. Um poema que pretende ser antilírico, mas termina acolhido pela poesia perfumada da palavra jardim. :)

    Beijo,
    Ane

    ResponderExcluir
  13. Aqui sim conheço tuas palavras, poderosas palavras, maravilhoso romper com padrões e deixar as palavras fluírem.

    ResponderExcluir
  14. E como diz Drummond, que venha a velhice!

    ResponderExcluir
  15. Poesia é uma ferida sem cura.
    Nela estamos sempre morrendo, sendo de menos,
    gritando, reclamando, denunciando;
    perdidos na margem menos visitada do rio...
    por isso há sempre uma espada por
    baixo das rimas,
    um abismo por trás dos versos.

    Poesia não se adoça;
    toma-se seca.

    Gostei da acidez, Fred.

    Abraço.
    Ricardo

    ResponderExcluir
  16. valeu essa ideia expressa sem medo e sem vergonha!

    ResponderExcluir
  17. Comum, mas você mandou muito melhor!

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!