sábado, 5 de junho de 2010

CRIANÇAS DA TEVÊ / CRIANÇAS DA RUA


Crianças branquinhas,
lindas na telinha
da nossa tevê.

                                              Crianças negrinhas,
                                              tristes e sozinhas
                                              e ninguém quer ver.

Crianças benditas,
limpas e bonitas
que adoram ler.

                                              Crianças malditas,
                                              sujas e famintas
                                              sem o que comer.

Crianças brincando
que vivem cantando,
pois amam viver.

                                              Crianças chorando
                                              que vivem roubando
                                              para não morrer. 
       

13 comentários:

  1. Originalmente publicado(s) em: Cronisias (01/01/2010)

    Crianças da tevê / Crianças da rua encontra(m)-se no e-book 15 em 5, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. Se não tiver-las-las como saber =]

    ResponderExcluir
  3. Além das palavras e rimas, o caráter belo e crítico dos poemas reside, principalmente, no paralelismo entre eles. Excelente, Caju! :)

    Beijo,
    Ane

    ResponderExcluir
  4. Simples e bonito. Bom.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom... Tenho um parecido, veja no meu blog "Molambos urbanos"...

    bjsss

    ResponderExcluir
  6. Posso usar isso na minha aula??

    ResponderExcluir
  7. a imagem da vida que a tv traz, é só o remédio que na verdade as pessoas querem, uma fuga da realidade e um motivo pra continuar acreditando nessa comoda fantasia que tudo está bem.
    olhar para o lado, notar o outro e se sentir responsável por ele também, cansa e é pesado demais.. é mais fácil sentar no sofá, ligar a tv na novela das 8 e pensar: ainda bem que ta tude bem.

    ResponderExcluir
  8. Adorei seu blog tbém, todas as imagens, bem como o plano de fundo! Tem msn? Um gde abraço! ;*

    ResponderExcluir
  9. O contraste retratado em poesia.
    Palavras, sentimentos, reflexões e rimas sobre um país injusto.
    País majoritariamente negro, mestiço, mulato, cabloco... E que insiste em só tratar com dignidade e respeito os de pele clara ou os que tem dinheiro, que em geral são os mesmos.

    Grande abraço, caju.

    ResponderExcluir
  10. isso dá idéia do filho da puta do rico,
    e do filho da santa do pobre.

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!