sábado, 29 de maio de 2010

ÁGUA DE BALDE

O peso do balde
faz calo na mão
e a incerteza
faz no coração.
Ela evaporou
no sol do Sertão?
Mas aqui é Recife
e a sua região.
Como explicar
essa privação?
Tem algo errado
na distribuição.

Carrega o balde
da melhor maneira:
com as suas mãos
ou a cabeça inteira.
Antes que acabe
a água da torneira,
antes que caia
a gota derradeira.
Enche o balde
até a sua beira,
reserva a água,
necessidade primeira.

Água dentro do balde
fora do encanamento,
fora do chuveiro
a todo momento.
Problema social
que causa atormento
na cabeça, no juízo
e no pensamento
até de pessoas que
não têm conhecimento
desse problema,
desse sofrimento.

Um balde de água
para dois de suor,
essa é a proporção
que define melhor
(na verdade, seria
que define pior)
essa triste situação
que parece que só
quem resolve é a
Santa que desata nó.
Em vez de água,
da torneira, sai pó.

Água para balde,
para o que for usual:
para a casa e o corpo
com economia total;
para dentro do copo
(fingindo ser mineral).
Aqui, em Pernambuco,
terra de seca e canavial,
o racionamento d’água
é de forma desigual,
e muitos ainda dizem:
“falta d’água é normal.”
   

9 comentários:

  1. Um excerto do poema foi publicado em: Poetas de Marte (07/12/2009)

    Água de balde encontra-se no e-book Tantos Problemas, disponível para download aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  2. O poeta lança seu olhar sobre o agora do mundo, e fixa o ponto crítico no balde, na sede, no sofrimento dessa gente... mas isso ele suporta.
    O que lhe cega a mão é o corte desigual das fatias da vida.

    Belo texto, Fred.

    Abração.
    Ricardo.

    ResponderExcluir
  3. Pois é! falando em água e balde eu já sei o que isso de verdade, no interior isso tudo é quase que normal =[

    ResponderExcluir
  4. Mais uma overdose de beleza, crítica inteligente e cajuína, claro! ;)

    Beijinho,
    Ane

    ResponderExcluir
  5. Um texto que merece ser compartilhado. Sua poesia certamente estará no romanceiro de minhas aulas.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Palavras não faz ninguém pensar... Mas a palavra crítica sim! Adoro teus textos, como crítica, penso... Pensamos!

    bjs

    ResponderExcluir
  7. uma Delícia de blog! E dono de alguém cuja a opinião realmente faz a diferença.
    Obrigada

    ResponderExcluir

Salve, salve, camarada!
O Sábados de Caju
escuta o que pensa cada,
podem contar quaisquer fatos;
se a prosa for prolongada:
tem a sessão de Contatos!